Monthly Archives: junho 2015

2ª Análise do saber em debate – redações 1000 pontos ENEM 2014
   Luiz  André Medeiros  │     12 de junho de 2015   │     11:03  │  1

SABER EM DEBATE E A ANÁLISE COLORIDA

blog-01Trecho de redação de Antônio Ivan Araújo. (Foto: Reprodução/G1)

blog-02

blog-03blog-04blog-05blog-06blog-07blog-08

>Link  

Dando continuidade ao processo de dúvidas técnicas
   Luiz  André Medeiros  │     9 de junho de 2015   │     11:22  │  3

CINCO DÚVIDAS NO PROCESSO DE CORREÇÃO DA REDAÇÃO DO ENEM

1. Qual a quantidade de parágrafos que deve ter o texto?

A redação do Enem exige o formato dissertação. Isso significa que se trata de um texto argumentativo, que pede que o autor desenvolva uma ideia, um problema ou um questionamento com uma consideração final que deve estar de acordo com os argumentos expostos

As-três-partes-da-dissertaçãoO Saber em debate recomenda que o aluno faça a dissertação em 4 ou cinco parágrafos; dessa forma, ele conseguirá maior êxito nas cinco competências, pois apresentará argumentos mais consistentes e baseados em conhecimento de mundo, o que favorece à nota na competência III.

2. Como avaliar um texto, por exemplo, com mais de vinte linhas, apresentando somente um parágrafo?

Há parágrafos longos e bem elaborados, ENTRETANTO isso é perigoso, uma vez que pode trazer inúmeros problemas coesivos. Se eles forem longos, e o participante não dominar as estruturas da língua e suas conexões, isso tem a ver ora com a Competência I, ora com a Competência IV. Portanto, haverá penalizações nesses segmentos.

3. E se a letra for ilegível, tornando o texto incompreensível, como avaliar? Em branco? Com defeito? Há outra opção?

Se for TOTALMENTE ilegível, a redação, automaticamente, é anulada. Os corretores marcam o ícone chamado de OUTRAS FORMAS DE ANULAÇÃO. Se for parcialmente ilegível e houver dúvidas, o corretor tem total autonomia para julgar apenas a parte que compreender, podendo pedir ajuda aos supervisores.

4. Se o candidato apresentar um título e depois o restante da redação nada tiver com o tema ou o assunto, o que vai ocorrer?

Nesse caso, houve fuga ao tema, mesmo tendo escrito mais de sete linhas, a redação é anulada.

5. Quando a redação é analisada pelo terceiro corretor?

A redação será corrigida por dois corretores de forma independente. A nota total de cada corretor corresponde à soma das notas atribuídas a cada uma das cinco competências.

>Link  

ANÁLISE DO SABER EM DEBATE – REDAÇÕES DE 1000 PONTOS ENEM 2014
   Luiz  André Medeiros  │     5 de junho de 2015   │     14:58  │  4

             Lucas Santos Barbosa, AlagoasblogTrecho de redação de Lucas Santos Barbosa, de Alagoas. (Foto: Reprodução/Divulgação)

Desde o fim da Guerra Fria, em 1985, e a consolidação do modelo econômico capitalista, cresce no mundo o consumismo desenfreado. Entretanto, as consequências dessa modernidade atingem o ser humano de maneira direta e indireta: através da dependência por compras e impactos ambientais causados por esse ato. Nesse sentido, por serem frágeis e incapazes de diferenciar impulso de necessidade, as crianças tornaram-se um alvo fácil dos atos publicitários.

ANÁLISE DO PARÁGRAFO INTRODUTÓRIO:

1º PERÍODO: inicia a dissertação de forma ampla, conhecida no meio jornalístico como visão universalista, e, para isso, escolhe a argumentação histórica: apoia-se na Guerra Fria e na ideia firmada do capitalismo consolidado para justificar o crescimento do consumismo. Um detalhe importante é que o aluno cita o fim da Guerra Fria em 1985, destoando da concepção histórica que considera a queda do muro de Berlim em 1989 ou o fim da União Soviética em 1991. Muito provavelmente essa análise deve ter considerado o início das reformas de Gorbatchev com a glasnost e a perestroika.

2º PERÍODO: de forma abrangente, traz uma espécie de justificativa para as consequências desse ato de comprar e avança para definir a sua argumentação: O ATO DE COMPRAR TRAZ DEPENDÊNCIA E CAUSA IMPACTOS AMBIENTAIS.

Por ser uma questão de cunho global, as ações de propagandas infantis também são evidenciadas no Brasil. Embora a economia passe por um período de recessão, a vontade de consumir pouco mudou nos brasileiros. Com os jovens não é diferente, influenciados, muitas vezes, por paradigmas de inferioridade social impostos tanto pela mídia, quanto pela sociedade, além de geralmente serem desprovidos de uma educação de consumo, tornam-se adultos desorganizados financeiramente, ao passo que dão continuidade a esse ciclo vicioso.

ANÁLISE DO PARÁGRAFO: destacamos a estratégia interessante usada pelo aluno de começar o parágrafo com a visão global a respeito das propagandas voltadas ao público infantil, mas observe que ele não se detém a isso, pois o tema aborda BRASIL!!! EM SEGUIDA, traz a conjunção subordinativa concessiva –EMBORA- para dar apoio à argumentação que faz sobre a situação atual econômica do país e admite a ideia de que essa situação em nada influencia no ato de consumir. A partir daí, o aluno segue com a progressão do seu argumento e “prova” o porquê da escolha das teses muito bem selecionadas. Foi fantástica a ideia de ser um círculo vicioso!!!!!!

ATENÇÃO!forma correta de escrita da expressão é círculo vicioso. A expressão ciclo vicioso, embora muito utilizada pelos falantes, está errada. Um círculo vicioso é um processo no qual a situação inicial gera consequências que conduzem novamente ao estado inicial, não havendo alterações e desenvolvimentos. É muito utilizada com conotação negativa, para indicar algo que não avança, que não progride e que não se resolve.

Diante desse cenário, os prejuízos são sentidos também pela natureza, uma vez que o descarte de materiais gera poluição e mudança climática na Terra. No entanto, o Brasil carece de medidas capazes de intervir em ações publicitárias direcionadas àqueles que serão o futuro da nação, hoje, facilmente manipulados e influenciados por personagens infantis e pela modernização em que passam os produtos. Em outras palavras, é preciso consumir de maneira consciente desde a infância, para que se construam valores e responsabilidade durante o desenvolvimento do indivíduo.

ANÁLISE DO PARÁGRAFO: conforme citado na introdução, há a retomada para desenvolver, agora, a 2ª argumentação escolhida: os impactos ambientais causados pelo consumismo. Perceba que o candidato respeita a hierarquia existente no parágrafo introdutório. Acontece que o candidato abre mão da progressão e apenas efetua a justificativa! Atenção!! Deveria existir uma ênfase maior!!!!

Em seguida, inicia a apresentação das propostas de intervenção com um detalhe que faz a diferença: TODAS SÃO SEGUIDAS DE MUITA PROGRESSÃO, EXPLICAÇÃO, COM DEFESA DE PONTO DE VISTA. Ponto para as competências 3 e 5.

Dessa forma, sabe-se que coibir a propaganda voltada ao público infanto-juvenil não é a melhor medida para superar esse problema. Cabe aos pais, cobrarem ações do governo – criação de leis mais rigorosas – além de agirem diretamente na formação e educação de consumo dos filhos: impondo limites e dando noções financeiras ainda enquanto jovens. Ademais, as escolas têm papel fundamental nesse segmento. É imprescindível, também, utilizar a própria mídia para alertar sobre os problemas ambientais decorrentes do consumo em larga escala e incentivar o desenvolvimento sustentável.”

ANÁLISE DO ÚLTIMO PARÁGRAFO: começa com uma reafirmação de tema e defesa do ponto de vista. Na sequência, concentra as propostas em AGENTES MOBILIZADORES: pais, escolas ( como gancho e sustento da proposta anterior)  e mídia!!!!

ATENÇÃO! Quando pensamos na elaboração de propostas, precisamos entender que só consegue cumprir essa tarefa um sujeito agente e crítico, um leitor competente, quem sabe o que faz e por que faz. É importante também propor soluções que sejam possíveis de serem executadas e, além disso, é fundamental que os passos para sua execução sejam apresentados. Outro fator importante é ter em mente que os direitos humanos precisam ser respeitados sempre.

Por fim, ao elaborar as propostas de intervenção, procure fazer de forma clara e inovadora, com argumentos que se relacionam à tese e com propostas que sejam coerentes com ambas.

 

 

 

 

>Link  

Saber em debate com as normas – dicas essenciais para um bom texto
   Luiz  André Medeiros  │     1 de junho de 2015   │     9:09  │  7

redação

Escrever nem sempre é tarefa fácil, mas existem dicas para uma boa redação que vão transformar você em um escritor atento e competente.

  1. Na redação do Enem, título conta como linha e deve ser considerado?

O título da redação deve ser considerado como TEXTO VÁLIDO, portanto corresponde como linha contada, exceto o que estiver fora do espaço reservado para a redação.

ATENÇÃO! Tudo o que estiver ESCRITO FORA desse espaço deve ser DESCONSIDERADO.

VEJA! Nem todo vestibular pede que sua redação tenha um título. Caso ele seja expressamente solicitado, não se esqueça de que deve ser constituído por uma frase nominal, ou seja, nada de verbos. Prefira títulos curtos e não pontue ao seu final.

  1. O recuo de 2 cm do parágrafo deve ser avaliado no texto? Se a maioria não apresenta tal recuo, em qual Competência o candidato será penalizado?

O início do parágrafo sem os dois centímetros é um uso consolidado. Se ele não tiver noção de que sua marca de paragrafação deve ser sempre igual (sempre sem recuo algum ou com os recuos sempre na mesma distância), isso deve ser considerado na Competência I. Portanto, é imprescindível que o

Atenção quanto à forma da redação. Respeite o recuo dos parágrafos, geralmente são dois centímetros a partir da margem (você deve ter aprendido isso lá na alfabetização, por que deixar de usar o que aprendeu?), use o hífen quando fizer uma separação silábica e nunca, nunca pule linhas entre um parágrafo e outro, certo?

  1. Como deve ser considerado um pequeno desabafo?

Se ocorrerem desabafos de pouca extensão dirigidos à banca corretora, a situação é clara: Parte desconectada (nota zero). Ou seja, nada de desabafos! O texto é de caráter objetivo, mantenha-se focado na argumentação.

  1. Se, na redação, o candidato escreve corretamente um termo como “IMPRESCINDÍVEL” e em outro parágrafo apresenta “IMPRESCINDIVEL”, sem o acento, deve ser contado como erro, numa redação nível 5 na competência I, por exemplo?

Se o participante ora acentua, ora não acentua uma palavra, ele está errando, por distração, ou por estar em dúvida, não importa. SE ESTA FOR A ÚNICA OCORRÊNCIA QUANTO AO DOMÍNIO DA NORMA CULTA, ELE CONTINUA COM O NÍVEL 5.

  1. É permitido ao participante redigir a redação na 1ª pessoa do plural?

Sim, desde que o texto seja dissertativo-argumentativo. Pode haver trechos de narrativas, que, às vezes, vêm em primeira pessoa (do singular ou do plural) e constituem argumentos, exemplos. Neste caso, não deve haver desconto de nota.

Atenção! A terceira pessoa é a mais apropriada para redação dissertativa- argumentativa, mas algumas organizadoras de vestibulares ou concursos admitem o uso da primeira pessoa do plural. Na dúvida, procure ser imparcial, veja:

Nós precisamos de um país que invista no ser humano. [Alguns vestibulares e concursos aceitam]
As pessoas precisam de um país que invista no ser humano.[Todos os vestibulares e concursos aceitam]

>Link