Possíveis Temas de Redação do ENEM – texto da promoção correção free.
   Luiz  André Medeiros  │     27 de julho de 2015   │     8:44  │  1

TEMA-DA-SEMANA-ciclovias

Tema: Ciclovias – seu significado e o direito de ir e vir

Estima-se que no Brasil atual haja aproximadamente 70 milhões de bicicletas. Vinte milhões a mais que a frota de automóveis, que de acordo com os mais recentes dados do Denatran representam aproximadamente 49 milhões de veículos. Diante deste quadro, contudo, observa-se uma enorme deficiência nas vias exclusivas para pedalar, principalmente nas metrópoles, que representam apenas 1% de toda malha viária do país.

É certo que, nos últimos anos, tem havido um aumento nos investimentos em espaços exclusivos para ciclistas. Todavia, as ciclovias no Brasil são, em geral, de pequena extensão e isoladas, o que dificulta o acesso e circulação dos ciclistas, principalmente em grandes metrópoles.

O Código de Trânsito Brasileiro, em seu art. 58, define que na ausência de ciclovia ou ciclofaixa, a via deve ser compartilhada, isto é, automóveis e bicicletas devem trafegar no mesmo espaço. Ainda, no parágrafo 2º do art. 59, o CTB dispõe que os veículos maiores devem prezar pela segurança dos veículos menores, respeitando sua presença na via. Mais adiante, no art. 201, a lei indica uma distância mínima de 1,5m que o carro deve obedecer ao ultrapassar as bicicletas.

Deve-se considerar que a frequência de entrada de novos veículos em circulação ainda é significativamente superior em relação à construção de ciclovias no país. Desta forma, com automóveis e bicicletas compartilhando da mesma via, educação é a palavra-chave. De ambas as partes. Os motoristas tem o dever legal de prezar pela segurança dos ciclistas e respeitar sua presença na via, enquanto que os ciclistas devem utilizar de equipamentos necessários para sua proteção e de todos na via, tais como: placas de reflexo; capacete; farol e sinaleira; buzina; espelhos; luvas e óculos, bem como respeitar as normas reguladoras de trânsito.

Com a Lei nº 12.587/12, institui-se as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, instrumento da política de desenvolvimento urbano constitucionalmente prevista, que visa a integração dos diferentes meios de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas no território do Município, reduzindo as desigualdades e promovendo a inclusão social e o desenvolvimento sustentável. Essa legislação determina que existe a prevalência de transportes não motorizados sobre os motorizados e, portanto, as bicicletas tem prevalência sobre os carros.

Dessa forma, deve-se considerar também a falta de recursos de grande parte da população para se locomover. A bicicleta representa hoje modalidade de locomoção de pequenas a médias lonjuras, principalmente para a população mais carente, contribuindo para a rede de transporte de massa. Contribui também para a redução de emissão de gases na atmosfera, já que constitui meio de locomoção não poluente, além de fomentar a prática esportiva e manutenção de hábitos saudáveis.

É necessário conciliar o investimento em programas de conscientização no trânsito e a construção de ciclovias para atender aos anseios populares e promover a inclusão social.

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Lucas Carnaúba de Oliveira

    Excelente sugestão de tema, acho que este assunto ainda será bem debatido pela mídia e pelo poder judiciário.

    Lucas Carnaúba de Oliveira

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *