Monthly Archives: outubro 2015

TEMA 46: Os desafios para os jovens de hoje
   Luiz  André Medeiros  │     21 de outubro de 2015   │     7:45  │  0

Tema 46

PROBLEMÁTICAS:

  • As idades sociais da adolescência e da juventude se confundem entre o que se deixa de ser e o que ainda não se chegou a ser. A juventude consiste socialmente no adiamento das “responsabilidades adultas” com a condição de adquirir habilidade para livrar-se da dependência de instituições de amparo à criança, como família e escola.
  • Um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento e ao reconhecimento da juventude como um segmento que tem a contribuir com a sociedade são os mitos, por exemplo, de que o jovem é um revoltado, inconsequente, irresponsável. Os mitos impedem perceber o jovem como um interlocutor confiável. Outro obstáculo é a falta de investimento em canais para a sua organização.
    • Um aspecto fundamental da participação da juventude é a sua relação com a mudança social. A cultura muda quando muda o sujeito que é construído nela. Portanto, é relevante analisar a dimensão subjetiva da participação do jovem relacionando-a a questão das gerações.

VISÃO UNIVERSALISTA

Na década de 50 e início da de 60 do século XX, se caracteriza, nos países mais avançados economicamente, a separação entre jovens e família, enfatizando a busca daqueles por autonomia e mais liberdade. Dessa forma, as décadas de 60 e 70 foram assinaladas pelos movimentos estudantis juvenis, pelo consumo intenso da música, ocasionando um rompimento com as regras estabelecidas, com as formas de dominação. Já as décadas de 80 e 90 marcam o resgate de valores à sombra da homogeneidade da cultura adulta. Por conseguinte, a juventude presente nessa fase histórica se configura como uma categoria social, formada por símbolos contemporâneos e marcada pelo resgate de valores à sombra dos valores adultos.

INTRODUÇÃO:

A participação dos jovens não depende só de vontade e oportunidade, mas da posição deles na estrutura social e na relação com as “velhas gerações”. A forma como as sociedades incorporam as novas gerações tem a ver, também, com as relações de poder entre gerações adultas e jovens: a participação juvenil não resulta somente de um encontro feliz entre a vontade de participar dos jovens e as oportunidades que lhes são abertas para fazê-lo, mas também de um complexo sistema de hábitos, regras, regulamentos, instituições e práticas destinadas a negociar os conflitos da reprodução das gerações.

HIPÓTESES DE SOLUÇÃO:

    • Trabalhar formas de estimular e promover a participação dos jovens em áreas confiadas estritamente a adultos, como política, educação e trabalho.
    • Ampliar a oferta de cursos profissionalizantes, para inserir no mercado de trabalho jovens qualificados e aptos a exercer melhores empregos.
    • Promover canais de formação e informação para o jovem qualificar-se e tornar-se sujeito de direito ativo e participativo dentro da sociedade.

>Link  

TEMA 45: Jogos eletrônicos e seu impacto na educação
   Luiz  André Medeiros  │     20 de outubro de 2015   │     19:14  │  0

Tema 45

PROBLEMÁTICAS:

  • Os jogos eletrônicos são uma realidade para crianças e adolescentes no mundo inteiro. Além do entretenimento, os games hoje tem se incorporado à educação. E os resultados dessa incorporação tem sido positivo, pois estimula a capacidade cognitiva e o raciocínio lógico do aluno, sendo alternativa que foge do modelo de ensino tradicional e atrai o estudante.
  • A utilização de jogos eletrônicos nas escolas também ajuda na interação e convívio social entre alunos, professores e funcionários, uma vez que é uma forma de iniciar discussões, trabalhar conteúdos didáticos de forma interativa e trocar experiências.
  • É preciso cuidado dos professores na utilização dos games na sala de aula. Primeiramente, é preciso aliar essas tecnologias e outras formas de ensino, de forma a atrair o interesse do aluno ao aprendizado. É necessário também trabalhar com games que estimulem o aluno à aprendizagem, mas que não tenham um tom unicamente didático, para não afastar os alunos.

VISÃO UNIVERSALISTA:

A globalização é um fenômeno que possibilitou ao homem o desenvolvimento em inúmeros aspectos, dentre estes, a evolução da tecnologia, que vem auxiliando-o, por exemplo, na formação educacional. Os avanços tecnológicos que permeiam a educação vêm transformar as formas de trabalho pedagógico, ampliando o surgimento de novas competências e metodologias de ensino. Neste contexto, é importante ressaltar que as tecnologias educacionais não substituem o professor, mas o auxiliam em suas aulas, como o caso de materiais on-line, vídeos, jogos, softwares, entre outros que promovem o compartilhamento de conhecimento e a autonomia dos alunos.

INTRODUÇÃO:

Desde seu surgimento, os jogos eletrônicos representaram formas de entretenimento para crianças e adolescentes em todo o mundo. Hoje, essas tecnologias estão sendo incorporadas à sala de aula, quebrando o método expositivo como única forma de transmissão de conteúdo. Dentre os benefícios do uso dos games, encontram-se o estímulo da capacidade cognitiva, da memória e do raciocínio lógico do aluno. Utilizados com cuidado, atraem a atenção do aluno ao ambiente escolar e estimula a interação e convívio social.

HIPÓTESES DE SOLUÇÃO:

  • Estimular a utilização dos jogos eletrônicos como método alternativo de aprendizagem capaz de atrair o interesse do aluno à sala de aula, rompendo com o método de ensino expositivo tradicional como única forma de transmissão de conteúdo.
  • Incentivar os alunos a identificar no game o contexto didático que ele pretende transmitir, trabalhando o professor enquanto mediador para garantir a compreensão do aluno acerca do conteúdo da grande curricular transmitida no jogo.

>Link  

TEMA 44: A questão da violência escolar no Brasil
   Luiz  André Medeiros  │       │     16:10  │  0

Tema 44

PROBLEMÁTICAS:

  • A escola deve ser um local de conflito saudável de ideias entre alunos, professores e demais funcionários. Contudo, no Brasil atual, esse conflito tem saído do campo das ideias e se materializado através de atos de violência. Diariamente, são divulgados na mídia casos de violência ocorridos no ambiente escolar.
  • A violência escolar não é um fenômeno isolado, abarca todo um contexto. O comportamento no ambiente escolar reflete o que é vivido pelo indivíduo no contexto real da sociedade. Logo, a violência instaurada e banalizada nos espaços urbanos é também refletida na escola.
  • Além da reprodução da violência social, podem-se atribuir algumas causas à violência nas escolas: o bullying, a intolerância religiosa, uso de drogas, movimento de formação de gangues.
  • A escola deixou de ser um lugar protegido e os pais estão cada vez mais receosos em deixar seus filhos na escola. É preciso estabelecer regras de convivência entre alunos, professores e funcionários nas escolas, além de ajudar as crianças a desenvolver o senso ético. Coibir a violência escolar deve ser uma ação conjunta entre poder público, escola, sociedade e família.

VISÃO UNIVERSALISTA:

Nos tempos atuais, família e escola parecem perder o poder e o espaço que tiveram outrora no sentido da formação do indivíduo. As crianças começaram a entrar mais cedo na escola, fato que pode favorecê-las ou desfavorecê-las, dependendo do acompanhamento escolar e familiar realizado. Caso a criança seja bem acompanhada, esse ingresso prematuro na instituição pode ajudá-la a se desenvolver melhor em todos os aspectos: sociais, cognitivos. Porém, se a família coloca-a na escola, mas não acompanha pode gerar na criança um sentimento de descaso em relação ao seu desenvolvimento.

INTRODUÇÃO:

A violência é hoje uma questão pontual no Brasil. Verifica-se uma crescente reprodução da violência do espaço urbano dentro do ambiente escolar. A escola, que deveria ser espaço de conflito saudável de ideias, deixou de ser um lugar protegido, e essa violência se dá, além da reprodução da violência urbana, por fatores como intolerância, bullying, uso de drogas, dentre outros. É preciso coibir a violência escolar através de ação conjunta entre poder público, escola, sociedade e família.

HIPÓTESES DE SOLUÇÃO:

  • Criar políticas públicas de prevenção à violência na sociedade e nas escolas, nesta diagnosticando problemas e trabalhando na formação específica dos professores, diretores e funcionários para lidar com os alunos.
  • Incluir a sociedade e as famílias no processo de educação das crianças e adolescentes, esta para ajudar as crianças no desenvolvimento do senso ético e aquela no desenvolvimento de ações de conscientização para a prevenção da violência.

>Link  

TEMA 43: Desenvolvimento e prevenção do meio ambiente em questão
   Luiz  André Medeiros  │       │     10:20  │  0

Tema 43

PROBLEMÁTICAS:

  • O aquecimento global e as mudanças climáticas são temas atuais que preocupam sociedades e governos em todo o mundo. Com o crescimento da população e o estímulo ao consumismo, são consumidos desnorteadamente os recursos naturais.
  • Há algum tempo, evidenciou-se a necessidade de preservação do meio ambiente para a manutenção da espécie humana. Contudo, não era plano dos governos capitalistas diminuir a produção e crescimento econômico de seus países para efetivar a proteção ao ambiente. Com isso, surge a ideologia do desenvolvimento sustentável, baseado na ideia de desenvolver a economia necessária, capaz de preservar os recursos naturais para o desenvolvimento social da geração atual e das gerações futuras.
  • As consequências do consumismo desenfreado sem preocupação com a preservação do meio ambiente já podem ser visualizadas em todo o mundo: agravamento de enchentes, devido ao escoamento superficial; ocorrência pontual de tsunamis, devido ao derretimento das geleiras decorrente do superaquecimento do planeta; perda da biodiversidade e aumento do número de espécies em extinção; entre outros.

VISÃO UNIVERSALISTA:

A primeira reunião de relevância sobre o assunto foi a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo no ano de 1972, um marco na conscientização ecológica mundial; um alerta aos países para a necessidade de cooperação internacional. Nesta Conferência foram elencados princípios contendo direitos e obrigações, surgindo assim a Declaração para a Preservação do Meio Ambiente. Mas foi na ECO 92, realizada no Brasil, que se consolidou, nos princípios da Declaração do Rio e da Agenda 21, a promoção do desenvolvimento sustentável, conhecido hodiernamente, o objetivo central deste século.  Conforme o Relatório Brundtland o desenvolvimento sustentável “é o desenvolvimento que atende às necessidades do presente, sem comprometer a capacidade das futuras gerações de atender suas próprias necessidades”.

INTRODUÇÃO:

As constantes mudanças climáticas e o superaquecimento do planeta tem preocupado sociedade e governos em todo o mundo. Para atingir o nível de desenvolvimento econômico atual, foram consumidos desnorteadamente recursos naturais. Contudo, ficou evidente a necessidade de preservar o meio ambiente para garantir a sobrevivência da espécie humana e, considerando a negativa dos países capitalistas em diminuir o crescimento econômico, surge a ideia de desenvolvimento sustentável. É preciso garantir o desenvolvimento econômico capaz de preservar os recursos naturais para a geração atual e as próximas.

HIPÓTESES DE SOLUÇÃO:

  • Fiscalizar as áreas de preservação ambiental para coibir danos, estimulando a sociedade a colaborar e buscar as autoridades competentes sempre que constatar lesão ou perigo ao meio ambiente.
  • Aplicar efetivamente as punições previstas na legislação quando da ocorrência de crime ambiental.
  • Realizar ações de conscientização nas escolas e espaços de interação social acerca da importância do consumo consciente e da preservação do meio ambiente.
  • Promover ações dentro da sociedade civil para engajá-la no debate de seus interesses para proteção de sua geração e das gerações futuras.

>Link  

TEMA 42: A erotização precoce de crianças em debate no Brasil
   Luiz  André Medeiros  │     19 de outubro de 2015   │     13:14  │  0

Tema 42

PROBLEMÁTICAS:

  • Quando determinado estímulo ocorre antes da faixa etária correta da criança ou quando determinados conteúdos são apresentados a ela antes de sua faixa de idade, caracteriza-se a erotização precoce.
  • É tênue a linha que divide a erotização precoce do consumismo infantil. Para uma criança que está chegando à adolescência é importante ser socialmente aceito e, para isso, ela se espelha nos hábitos de modelos e artistas veiculados na mídia, que passa a ideia de aceitação baseada no consumo. Contudo, na maioria das vezes, a criança ainda não tem senso crítico para avaliar se aquele modelo veiculado na mídia condiz com a sua realidade.
  • No Brasil, a publicidade utiliza determinados elementos de erotização não condizentes com a idade e o poder de avaliação crítica da criança. Além disso, não está sujeita a uma classificação indicativa de horário e não é regulamentada como publicidade dirigida a crianças e adolescentes.
  • No Brasil tem surgido uma geração MCs mirins, crianças com idades entre sete e doze anos de idade, incentivadas por pais ou empresários, que carregam nas letras de suas músicas conteúdos explícitos que abordam temáticas como sexo, uso de drogas, dinheiro, fama, ostentação.

VISÃO UNIVERSALISTA:

Os hábitos e comportamentos sociais variam historicamente. Suas transformações geralmente estão relacionadas às mudanças verificadas na própria sociedade ou em certas dimensões dela. O pano de fundo deste conflito, não é psicológico e nem propriamente ético ou moral, mas social. Ele pode ser considerado como um sintoma de mudanças profundas na vida social. Um conflito desse tipo costuma atormentar os pais e educadores que, por pertencerem às gerações anteriores, encontram enorme dificuldade tanto para entender o comportamento e as práticas sociais adotadas pela nova geração, quanto para lograr e se comunicar a contento com ela.

INTRODUÇÃO:

A erotização precoce de crianças no Brasil é fato preocupante que tem movido debates em todo o país. Cada vez mais cedo, meninos e meninas têm acesso irrestrito a conteúdos antes da faixa de idade adequada, o que pode ser observado com clareza na música apresentada pelos atuais MCs mirins. Essa erotização precoce também é atribuída à mídia destinada à crianças, que na busca pela aceitação social e com a ausência de senso crítico, toma como estilo de vida os modelos veiculados pela mídia.

HIPÓTESES DE SOLUÇÃO:

  • Regular, através de lei, a veiculação de propaganda dirigida ao público infanto-juvenil, abordando a classificação indicativa de idade, horário e conteúdo, de acordo com as disposições do ECA e da Lei de Imprensa.
  • Trabalhar com pais a ideia de limite. Dar limites às crianças está intimamente ligado à educação e não torna os pais autoritários por não permitir que as crianças tenham acesso a algo que não condiz com sua faixa etária.

>Link