Série Diálogos em Debate
   Luiz  André Medeiros  │     2 de janeiro de 2016   │     16:55  │  0

 

Saber em debate - Professores.  Foto: Pei Fon.  Todos os direitos reservados.

A importância da laicidade do Estado como forma de garantir as liberdades individuais dos cidadãos

          Voltando depois de uma semana de ócio a escrever nesse espaço, trago o fator religioso para um debate curioso, visto que, diante do aumento da intolerância religiosa no mundo também cresce o movimento neoateísta. Essa série tem como pressuposto trazer aos leitores uma perspectiva que será amplamente debatida ao longo do ano e que transformaremos em uma série de diálogos aqui no Saber em Debate, iniciando o ano com um debate no cine art pajuçara sobre O Estado Islâmico e o aumento da intolerância religiosa: seu início, seus efeitos, na companhia do professor Gustavo Pessoa.

          Aí vem, então, a questão mais polêmica: até que limite o mundo secular deve respeitar as crenças e preceitos postos em prática pelo mundo religioso em geral, e pelo islamismo em particular. Consideraremos direito dos jihadistas que vão aos acampamentos de refugiados exigir sexo com meninas menores de idade por acharem isso também uma forma de jihad que elas são, então, obrigadas por dever religioso? E a mutilação feminina em tribos africanas, deve ser respeitada como parte da cultura religiosa deles? E a pena de morte para apostasia? E a condenação do literato Salman Rushdie? E a igreja católica indo a países africanos assolados pela AIDS e dizendo para não usarem camisinha?

          Além da quantidade de mortes em abortos malfeitos, da proibição de pesquisas com células-tronco, a direita religiosa norte-americana que vê com bons olhos a destruição de Israel porque entende que este é um dos sinais bíblicos do apocalipse, dos constantes ataques aos países europeus visto como uma maneira de aterrorizar o ocidente. Enfim, das barbaridades cometidas em nome da religião.

          As questões religiosas têm sido uma fonte histórica de violência no Sudão, no Sri Lanka, na Indonésia, no Cáucaso, no Azerbaijão nos Bálcãs, na Irlanda do Norte, na Cachemira, e o exemplo mais recente, na Síria e no Iraque com o avanço do Estado Islâmico, além dos ataques terroristas na Europa, que fizeram a França e a Bélgica cancelarem suas tradicionais festividades de final de ano. Até que limite ela deve ser respeitada? Entendo que a religião é uma forma de assegurar o convívio harmônico de sociedades. Porém, respeito se dá a quem também retribui com respeito. Ou seja, se sua Religião ou modo de vida permite que pessoas com outras religiões e outros modos de vida possam existir pacificamente e viverem livremente as ações que lhes dizem respeito, através de da ideia de pertencimento, aí sim a tolerância deve ser retribuída com grande tolerância.

Novas Turmas 2016 (2)

          As postagens serão acompanhadas, posteriormente, de referências humanísticas, naquilo que classificamos como Visões Universalistas para que os leitores possam buscar referências na construção do texto.

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *