Texto do Aluno Redação em Debate (17) com correção especial CESMAC
   Luiz  André Medeiros  │     13 de maio de 2016   │     13:57  │  2

          Estando cada vez mais próximo do tão aguardado vestibular do CESMAC, o Projeto Saber em Debate vem nessa sexta-feira apresentar mais uma produção de excelência de uma de nossas alunas. Como os critérios de correção e pontuação da instituição são diferentes do Exame Nacional do Ensino Médio, o nosso projeto se adapta para proporcionar a melhor qualidade de correção. Confira agora na íntegra a redação que recebeu a nossa máxima de avaliação para o CESMAC: 400 pontos!

Redação da aluna Paula Jatobá

          O artigo 5º da Constituição Federal garante o direito à vida, à liberdade e à igualdade, bem como à intimidade. O crescente número de pesquisas relacionadas ao campo biomédico no Brasil vem trazendo questionamentos sobre os aspectos éticos dessa questão. Estudos envolvendo células humanas, por exemplo, impulsionam debates que vão além de argumentos técnico-científicos, abrangendo também perspectivas morais e religiosas.

          As novas tecnologias, advindas do acelerado desenvolvimento científico, dominam cada vez mais a natureza. A engenharia genética, as investigações com células-tronco e os novos meios reprodutivos são exemplos disso. Tais pesquisas não mais são restritas a uma pequena parte da população: hoje, as discussões alcançam o Governo, o Legislativo, o Judiciário e até a mídia. O envolvimento do ser humano nesse delicado processo requer, além de formas seguras de proteção à integridade dos cidadãos, a certeza de que isso beneficiará a sociedade brasileira.

          A racionalidade que o cientificismo submete aos indivíduos o faz ser visto como neutro e imparcial. Contudo, ao analisar o regime nazista, o qual utilizou das suas câmaras de gás e dos fornos crematórios para o extermínio de 6 milhões de judeus, percebe-se que, apesar de trágica, a tecnologia foi usada de forma burocratizada e por funcionários públicos. Assim, exemplos atuais como a clonagem de humanos e a eliminação de anormalidades genéticas podem apresentar objetivos discriminatórios e contrários à dignidade de um ser;

          É preciso que, nas escolas, a genética seja ensinada de modo que estabeleça nos alunos uma consciência crítica, resgatando a real função das ciências biológicas. Por meio de palestras, o grau de conhecimento das pessoas deve ser elevado, explicando o assunto e suas implicações sociais. Sendo assim, é necessário um debate bioético a fim de que o Direto possa ser cumprido de forma eficiente, sem que impeça o desenvolvimento científico do pais.

WhatsApp-Image-20160512 (5)

NOTA DA ALUNA SEGUNDO OS CRITÉRIOS DO CESMAC:

111

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

    1. Luiz André Medeiros Post author

      Muito obrigado pelo elogio, Lucas! Fique sempre ligado em nossos conteúdos aqui e pela nossa página no Facebook, pois sempre postamos conteúdo de ótima qualidade. Nosso material completo você pode encontrar fazendo a matrícula em nossa isolada. São aulas semanais ricas em conteúdo e administradas pelos professores mais bem gabaritados do estado de Alagoas. Conheça um pouco mais do nosso projeto ligando para o número: (82) 3031.3610

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *