Texto do Aluno Redação em Debate (23)
   Luiz  André Medeiros  │     17 de junho de 2016   │     18:41  │  0

          Hoje é sexta-feira, dia de apresentação de mais uma grande produção de um dos nossos alunos do projeto. Dessa vez o aluno homenageado é o nosso querido Arthur Pereira Miranda, que alcançou o grande feito, tão buscado pelos alunos, de obter a nota máxima na avaliação das redações segundo os critérios do Exame Nacional do Ensino Médio: 1000 pontos! Confira agora essa excelente produção:

Proteção social e livre mercado uma convivência possível andré

Redação do aluno Arthur Pereira Miranda:

          As sucessivas crises do Brasil na atualidade são marcadas pela dicotomia entre seus governantes, na qual as secções pouco colaboram para o bem-estar social e avanço econômico do país. Tal antagonismo, nesse sentido, põe em xeque o acordo desses ideais e, consequentemente, a melhoria efetiva de toda a sociedade. Com isso, a política brasileira, não sabendo administrar tais interesses, provoca a instabilidade social, comprometendo suas relações e seus interesses.

          O keynesianismo emerge, no século XX, como ideologia econômica criada para conceder benefícios sociais, suprindo a carência de segmentos da iniciativa privada. O Estado brasileiro, contudo, não consegue tamanha harmonia financeira, na medida em que não há a devida tutela aos mais frágeis e as desigualdades só aumentam. Nesse sentido, com os impostos díspares e péssimas condições dos bens públicos, as diferenças crescem e a sociedade involui.

          Além disso, a segregação gerada pela política é um agravante real, uma vez que distancia uma conciliação entre as partes. Dessa forma, o ideal de “Capital Social”, proposto pelo sociólogo Robert Putnam, é fundamental, posto que sugere a união da sociedade para resolver sues problemas. Infelizmente, essa alternativa está distante da realidade, o que impossibilita a resolução da problemática.

          Há, portanto, a necessidade, pelo Estado, de correções nos impostos, de modo que sejam cobrados proporcionalmente à renda de cada indivíduo, bem como a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas, tornando as taxas mais igualitárias e aumentando o poder financeiro da população. É essencial, ainda, uma integração social, promovida por partidos políticos, a fim de que estes representem aqueles de maneira contratualista, suprindo suas necessidades, como escolas e hospitais, criando, assim, condições equitativas para toda a população.

WhatsApp-Image-20160617 (3)

Nota do aluno:

1111

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *