Monthly Archives: outubro 2016

Temas prováveis para o ENEM 2016 (23)
   Luiz  André Medeiros  │     31 de outubro de 2016   │     20:58  │  0

Terceiro tema desta segunda-feira liberado aqui em nosso blog. Mais um tema desenvolvido com bastante zelo para você, que acompanha nosso blog, sempre estar atualizado com o melhor conteúdo nessa reta final para a prova do ENEM. Confira o texto:

x-default

11111

Tese Principal – Os direitos e as garantias constitucionais inerentes à pessoa humana têm sido, cada vez mais, questionados frente oa poder que advém do conhecimento da biotecnologia, entendido como biopoder. Esse novo poder deve ser pensado em seu sentido ético e moral, para que possa se manifestar e ser exercido legitimamente no Estado Democrático de Direito. A ciência não pode ser pensada como um setor da sociedade no qual um grupo de pessoas trabalha desinteressadamente no desenvolvimento do conhecimento humano

Visões Universalistas

Argumento Atual

          As experimentações genéticas não terapêuticas desenvolvem-se no âmbito da curiosidade científica e não podem ter seu valor negado. Tais experiências, no entanto, merecem relevado cuidado, uma vez que podem apresentar objetivos discriminatórios, ou mesmo contrários à ética e à dignidade humana.

Entendimento do Saber em Debate – A preocupação é que existem experimentações genéticas relacionadas à clonagem de seres humanos idênticos ou híbridos, bem como a atividades eugênicas, no sentido de eliminar desvios da “normalidade genética”. Na experiência eugênica, pretende-se modificar o genoma humano para a obtenção de características antes não verificadas.

Argumento Jurídico

          Quanto às possibilidades de desenvolvimento da pesquisa científica, terapêutica ou não, deve-se atentar para as disposições constitucionais. O artigo 1º da CF considera a dignidade da pessoa humana como fundamento do próprio Estado e o art. 5º garante o direito à vida, à liberdade e à igualdade, bem como a intimidade e a não submissão a tratamento desumano ou degradante. Por sua vez, o mesmo artigo proclama a liberdade da expressão científica.

Entendimento do Saber em Debate – Assim sendo, e considerando-se que a Carta Magna elenca diversos direitos tidos por fundamentais, deve-se fazer uma análise de prioridades quando houver algum confronto entre eles nesse sentido, entende-se que prevalecem os valores de dignidade, liberdade, igualdade e intimidade em relação à livre pesquisa científica.

Argumento Filosófico

          A intenção aqui é mostrar que a responsabilidade social da ciência não é mais um assunto interno dos cientistas. Atualmente, milhões de técnicos no mundo todo conhecem o método científico e o usam a serviço de estados e grandes corporações. O cientista formula as questões, mas o pesquisador pode estar em qualquer setor da sociedade. A responsabilidade está diluída na sociedade, ela extravasou o âmbito da ciência no sentido estrito.

Entendimento do Saber em Debate – A filósofa alemã naturalizada Hannah Arendt, em seu livro Eichmann em Jerusalém, investigou a brutalidade do regime nazista, apontando como uma das suas principais características a forma racionalizada com que foi feito o extermínio de seis milhões de judeus nos campos de concentração. O emprego da tecnologia, ou seja, das câmaras de gás e dos fornos crematórios, era um procedimento frio, burocratizado, uma operação feita por funcionários públicos. Eichmann é o nome de um desses funcionários de Hitler, a quem Arendt identificou como um produto típico do regime nazista – concluiu que isso se deveu a banalização do mal, obtida através de uma prática cientificamente programada e racionalizada.

Teses para o Desenvolvimento

1ª Tese – Refletir o avanço da ciência.

          Nesse sentido, vê-se presente a função reguladora do Direito, que tem o compromisso de resguardar os direitos e garantias fundamentais do homem frente os arbítrios que podem advir do biopoder. Deve haver, assim, um debate bioético a respeito das novas relações sociais que a biotecnologia passa a estabelecer na sociedade, a fim de que o Direito possa cumprir com eficiência a sua atividade de harmonização de conflitos sociais, sem, no entanto, impedir o avanço científico.

Construindo o Texto – Trabalhar a ideia de que não cabe nenhuma ilusão a esse respeito: uma redefinição dos rumos do desenvolvimento tecnológico implicara, necessariamente, uma reorientação global da estrutura social – Mostrar a compreensão que os avanços da tecnociência têm sido objeto de discussões que resultam em transformações sociais, principalmente em decorrência de suas implicações éticas e sociais – para comprovar mostre que a produção científica e tecnológica está sujeita às forças que regem a sociedade, aos interesses econômicos, políticos, sociais, morais e éticos, ou seja, está inserida no processo de construção de valores sociais.

2ª Tese – Propor uma educação em bioética para ser examinada e debatida junto à sociedade.

          É necessário estimular o debate entre professores para que possamos conhecer o grau de preocupação e compreensão delas sobre as implicações sociais, políticas e éticas dos novos conhecimentos e aplicações da biologia, e se o conhecimento transmitido\recebido é um instrumental capaz, adequado e suficiente para a iniciação de reflexões bioéticas.

Construindo o Texto– A educação e a formação em bioética é, antes de tudo, um processo de formação voltado ao desenvolvimento dos valores associados ao exercício da cidadania. E não há como negar que, no espaço escolar, o indivíduo passará as primeiras experiências de exercício de sua cidadania. Assim, o cidadão deve saber pensar, ultrapassar a mera expressão de seus interesses particulares, aceder a um ponto de vista universal, encarar os problemas considerando o interesse da comunidade em seu conjunto – Destacar o papel do professor em oferecer os meios, o gosto e o hábito da participação aos seus alunos, estabelecendo uma relação dialógica, conferindo, assim, um sentido moral e político à sua ação docente.

 

Solução

          É nas escolas secundárias que as pessoas adquirem noções básicas de genética, o que nos leva a concluir que esse é o público alvo prioritário para o trabalho de despertar e estabelecer uma consciência crítica, uma consciência bioética, que priorize o resgate da função social das ciências biológicas. É preciso que nós, as pessoas comuns, a maioria da sociedade, exijamos que as biociências, sobretudo a genética, sejam ensinadas com os aportes, significados e simbolizações que possuem hoje. Tais conhecimentos, se transmitidos juntamente com explicações sobre seu emprego industrial e comercial e a carga de ressonância ética que carregam, possibilitam o exercício da cidadania em maior plenitude e consciência.

Detalhamentos

  • Escreva com base na ideia de que, considerando as rápidas transformações tecnológicas e científicas no âmbito das biociências e a emergência de questões polêmicas, como a eutanásia e os direitos sexuais e reprodutivos, é necessário discutir a inserção da Bioética na educação escolar, sobretudo no ensino médio;
  • Tal inserção é pensada em termos interdisciplinares, de modo a envolver os professores das diferentes disciplinas e possibilitar a abordagem de temáticas atuais que não devem ser ignoradas nos processos de formação intelectual e moral dos estudantes.

Redação da aluna PAULA JATOBÁ

          O artigo 5º da Constituição Federal garante o direito à vida, à liberdade e à igualdade, bem como à intimidade. O crescente número de pesquisas relacionadas ao campo biomédico no Brasil vem trazendo questionamentos sobre os aspectos éticos dessa questão. Estudos envolvendo células humanas, por exemplo, impulsionam debates que vão além de argumentos técnico-científicos, abrangendo também perspectivas morais e religiosas.

          As novas tecnologias, advindas do acelerado desenvolvimento científico, dominam cada vez mais a natureza. A engenharia genética, as investigações com células-tronco e os novos meios reprodutivos são exemplos disso. Tais pesquisas não mais são restritas a uma pequena parte da população: hoje, as discussões alcançam o Governo, o Legislativo, o Judiciário e até a mídia. O envolvimento do ser humano nesse delicado processo requer, além de formas seguras de proteção à integridade dos cidadãos, a certeza de que isso beneficiará a sociedade brasileira.

          A racionalidade que o cientificismo submete aos indivíduos o faz ser visto como neutro e imparcial. Contudo, ao analisar o regime nazista, o qual utilizou das suas câmaras de gás e dos fornos crematórios para o extermínio de 6 milhões de judeus, percebe-se que, apesar de trágica, a tecnologia foi usada de forma burocratizada e por funcionários públicos. Assim, exemplos atuais como a clonagem de humanos e a eliminação de anormalidades genéticas podem apresentar objetivos discriminatórios e contrários à dignidade de um ser;

          É preciso que, nas escolas, a genética seja ensinada de modo que estabeleça nos alunos uma consciência crítica, resgatando a real função das ciências biológicas. Por meio de palestras, o grau de conhecimento das pessoas deve ser elevado, explicando o assunto e suas implicações sociais. Sendo assim, é necessário um debate bioético a fim de que o Direto possa ser cumprido de forma eficiente, sem que impeça o desenvolvimento científico do pais.

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

TEMA:  A engenharia genética e o limite entre a libertação e a destruição

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 200 Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções aqui encontrados e não reincidentes não prejudicaram a construção gramatical do texto.
COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200 Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo.
COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, CONFIGURANDO AUTORIA, em defesa de um ponto de vista.
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 180 Articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório pouco diversificado de recursos coesivos. É necessário estar ciente dos três mecanismos coesivos: referencial, sequencial e lexical.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 180 Elabora proposta de intervenção BEM ARTICULADA e relacionada ao tema, porém apresenta falhas quanto ao DETALHAMENTO.

>Link  

Temas prováveis para o ENEM 2016 (22)
   Luiz  André Medeiros  │       │     13:07  │  0

Segunda postagem dessa segunda-feira, aqui no blog Saber em Debate. Estamos produzindo a todo vapor nosso conteúdo e disponibilizando aqui neste portal para que você, acompanhante do blog, esteja antenado com o melhor conteúdo até o ENEM. Confira agora o tema:

x-default11111

Tese Principal – A ciência existe e trabalha na busca de soluções racionais para explicar e solucionar os problemas da sociedade, beneficiando-a. Contudo, a ciência ainda encontra algumas dificuldades para coexistência pacífica em sociedade, como a falta de compreensão do método científico e o choque com paradigmas morais, culturais e religiosos. É preciso, então, proporcionar o diálogo entra ciência e sociedade, a fim de a compreensão e cooperação entre eles.

Visões Universalistas

Argumento Atual

          A sociedade contemporânea caracteriza-se pela globalização. As informações e a velocidade com a qual elas atingem a sociedade espantam qualquer um que tenha vivenciado as décadas de 1980 e 1990. Em razão da tecnologia e das facilidades que ela traz, os receptores dessas informações transformam-se cada vez mais exigentes, em todos os sentidos. Em virtude disso, o mundo se especializou. As profissões ganharam novos rumos, novas perspectivas.

Entendimento do Saber em Debate – De fato, existe no mundo acadêmico crescente preocupação com o impacto social, ou seja, em gerar conhecimento e realizar atividades capazes de trazer melhorias para a sociedade. A ambição é ir além do ensino, das pesquisas e da publicação de livros e artigos. O objetivo é prover benefícios tangíveis.

Argumento Sociológico

          O tema do impacto social não é novo. O marco inicial das preocupações atuais é frequentemente atribuído ao trabalho pioneiro do americano Wannevar Bush. Seu relatório: “Science: The endless frontier”, divulgado em 1945, advogava que a ciência deveria satisfazer as necessidades da população; e os motores da prosperidade seriam o conhecimento científico e o desenvolvimento tecnológico. Portanto, quanto mais recursos forem aplicados na ciência, maior seria o benefício social.

Entendimento do Saber em Debate – A partir dos anos 2000, percebeu-se que o avanço do conhecimento não implica, inexoravelmente, a criação de riqueza, e que bem-estar social é mais que crescimento econômico. Isso levou à busca de indicadores de impacto mais sensíveis às demandas sociais.

Teses Para o Desenvolvimento

1ª Tese – Compreender o papel da ciência no contexto social.

          A ciência e as tecnologias influenciam, hoje, direta e indiretamente, toda a vida na sociedade contemporânea. Contudo, devido a não compreensão do método científico, ainda há a colisão entre ciência e os paradigmas morais, culturais e religiosos, tornando necessário estabelecer uma ponte de comunicação entre a ciência e a sociedade.

Construindo o Texto – É fundamental estabelecer a cooperação entre a ciência e a sociedade através da compreensão do papel científico no contexto social. A ciência existe e trabalha para o benefício da sociedade, buscando soluções racionais para seus questionamentos. E a sociedade, enquanto produtora e beneficiária dessa ciência, deve garantir que nenhum direito subjetivo de alguém seja desrespeitado enquanto da produção do método científico.

2ª Tese – Modificar a base de crescimento econômico.

          Estabelecer a ideia de que crescimento, todavia, não é autônomo, isto é, não tem condições de auto-alimentar-se nem se satisfará, no largo prazo, simplesmente com os resultados das exportações de grãos e minérios. Ele cobra altos, massivos, permanentes investimentos em ciência e tecnologia, pois não é possível pensar no médio prazo sem preparar as bases do desenvolvimento tecnológico, ferramenta do desenvolvimento econômico e social.

Construindo o Texto – Trabalhar a ideia de que a universidade brasileira não tem revelado à altura desse desafio e dele se aparta a iniciativa privada – que continua pensando de forma, pequena, limitada, sempre a depender do Estado. Estamos atrasados nas áreas nuclear (ensino e pesquisa) e espacial, e estamos perdendo as bases nas quais a Petrobrás poderia assentar a exploração e desenvolvimento autônomos da indústria do pré-sal.

SOLUÇÃO

          Para o desenvolvimento em ciência e tecnologia de que carecemos, precisamos formar mais doutores, o que depende de uma política agressiva da Capes e do CNPq – porém, continuamos investindo pouco, muito pouco, em C&T, a saber, apenas 1,13% do PIB. Assim, não iremos longe – enquanto a Rússia forma 190 mil, a Índia 220 mil e a China 650 mil engenheiros por ano, nossas universidades formam de 30 a 35 mil engenheiros.  Na área da inovação, sem o que não teremos competitividade tecnológica, dependemos de uma indústria que, quando multinacional, traz de sua matriz a tecnologia que deseja aplicar, e que, quando nacional, prefere pagar royalties a produzir aqui sua própria tecnologia. Ademais, quais os desafios para o investimento em pesquisa se nossa economia está voltada para a produção de commodities, a saber, produtos na sua maioria sem valor agregado e que não carecem de tecnologia e inovação? Por essa e outras razões (entra as quais nosso modelo de desenvolvimento industrial tardio e dependente) o Brasil está no 36º lugar no ranking do registro internacional de patentes.

Detalhamentos

  • Construir uma relação de compreensão e cooperação entre a ciência e a sociedade para garantir que as necessidades desta sejam atendidas sem desrespeito a direito subjetivo de ninguém;
  • Requerer da comunidade científica a clareza e transparência quanto ao método científico utilizado;
  • Transmitir o conhecimento científico aos diferentes grupos, para que todos, democraticamente, possam criticar e usufruir desse conhecimento.

Redação da aluna ANA CAROLINA LYRA

          O progresso científico – como evidenciado historicamente- é acompanhado por melhorias na qualidade de vida humana. Apesar disso, é inegável que o potencial dessa área tem sido negligenciado no Brasil, visto que se apresenta de forma superficial em escolas e é desvalorizado em prol de questões econômicas.

          O caráter atrasado do conteúdo de ciências no currículo educacional brasileiro dificulta o interesse e o envolvimento do aluno nesse meio. Essa postura conservadora, por focar temáticas ultrapassadas e não abordar a realidade tecnológica vivida pelo estudante, distancio-o de sua compreensão, de forma limitar seu entendimento a conceitos simples. Além disso, a herança positivista compromete a atuação crítica do jovem nesse processo, culminando na relação verticalizada entre professor e aluno e em seu conseqüente obstáculo para seu aprendizado efetivo.

          Os interesses capitalistas, por outro lado, retardam o desenvolvimento de novas tecnologias, na medida em que não almejam o produto mais avançado, eficiente e duradouro, e sim, aquele que proporcionará maior lucratividade. Incentivos para esse ramo, sendo assim, são escassos e mal direcionados, o que contradiz diretamente o exposto no artigo 218 da Constituição Federal .

          Portanto, é imperativo que o MEC reformule as diretrizes curriculares do ensino brasileiro, destacando as revoluções tecnológicas que compõem a dinâmica atual e seu funcionamento teórico e prático, no intuito de tornar esse setor mais atrativo para os jovens. Em adição, o Estado deve expandir programas de incentivo à pesquisa, com uma maior divulgação sobre seus critérios e benefícios, além da abertura de concursos para pesquisadores de áreas científicas, de modo a elevar a opinião pública e a busca por essa profissão.

 

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

TEMA: CIÊNCIA E SOCIEDADE: A NECESSIDADE DE COMPREENSÃO E COOPERAÇÃO.

 

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 180 Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios de convenção ou gramaticais: vírgula, pronome relativo e acentuação.
COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200 Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta ÓTIMO domínio do texto dissertativo-argumentativo.
COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, CONFIGURANDO AUTORIA, em defesa de um ponto de vista. É NECESSÁRIO MAIS PROGRESSÃO ARGUMENTATIVA.
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 180 Articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos. É necessário estar ciente dos três mecanismos coesivos: referencial, sequencial e lexical, PRINCIPALMENTE ESTA ÚLTIMA.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 200 Elabora PERFEITA proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.

>Link  

Temas prováveis para o ENEM 2016 (21)
   Luiz  André Medeiros  │       │     6:42  │  0

Vigésimo primeiro tema liberado aqui no blog Saber em Debate nessa manhã de segunda-feira. Faremos, nessa reta final até o dia da prova, atualizações constantes aqui em nossa página. Por isso, não deixem de conferir durante todo o dia a nossa página no Facebook, local onde faremos a postagem dos links que levarão até os temas que serão aqui lançados. Confira agora a temática:

x-default

11111

Tese Principal – A meritocracia estabelece que, somente em igualdade de condições, é possível exigir ou explicar pelo empenho pessoal o resultado de qualquer coisa. É exatamente aí que a ideologia jurídica cumpre seu papel nefasto, ao apresentar todos os que vivem em dado país ou como uma reunião de indivíduos (cidadãos!), livres (juridicamente) e iguais (formalmente).

Visões Universalistas

Argumento Histórico

          Até a Idade Média, o nascimento determinava o lugar social de cada pessoa. Um filho de nobre tinha posições sociais (como cargos na estrutura do Estado ou títulos de nobreza) garantidas pelo simples fato de ter nascido em uma família nobre.

Entendimento do Saber em Debate – Mostre que na história nenhuma época foi capaz de permitir ascensão social – um filho de um trabalhador do campo jamais conseguiria tais títulos ou cargos. A ascensão social era algo que nem estava no imaginário das pessoas.

Argumento filosófico

          O filósofo grego Platão propõe em seu livro, A República, um modelo de educação que possibilidade a todos igual acesso à educação, independentemente da classe social a que pertença cada indivíduo por nascimento. Em sua formação, as crianças iriam passando por processos de seleção, ao longo dos quais seriam destinadas a uma das três classes que formam a cidade.

Entendimento do Saber em Debate – Essa ideia mostra que os mais aptos continuariam seus estudos até o ponto mais alto desse processo, a fim de se tornarem sábios e, assim, habilitarem-se a administrar a cidade – essa concepção política de Platão é aristocrática, porque supõe uma massa de pessoas incapazes de dirigir a cidade e apenas uma pequena parcela de sábios que estariam aptos para exercer o poder político –  seria uma elite que se distinguiria pelo saber.

Argumento Sociológico

          Com o fim desse sistema social, a ascensão da burguesia e o surgimento da democracia moderna, garantiu-se legalmente o direito de qualquer um, independentemente da posição social de seus familiares, poder obter um status elevado. Uma filha de um trabalhador rural pode, por direito, chegar a ser Presidente da República, juíza ou professora universitária. Dessa noção, consolidou-se a crença de que, para ascender socialmente, basta que nos esforcemos.

Entendimento do Saber em Debate – Entre os grandes problemas da Desigualdade Social, estão a má distribuição de renda e da administração dos recursos; a lógica do mercado capitalista (consumo, mais-valia) e a falta de investimento nas áreas sociais, culturais, saúde e educação, além de oportunidades de trabalho – isso leva a sérias consequências como a pobreza, a fome, a desnutrição e a mortalidade infantil, além do aumento das taxas de desemprego e do atraso no progresso da economia do país, levando ao aumento dos índices de violência e criminalidade

Teses Para o Desenvolvimento

1ª Tese – modificar os valores culturais para a aceitação da meritocracia.

          Apontar a falácia mais frequente em toda discussão sobre meritocracia. Defender a meritocracia não significa ser cego para os problemas sociais, odiar pobres ou achar que se está acima dos outros, pelo contrário.

Construindo O Texto – Comprovar a tese de que a questão é ter lucidez suficiente para saber que o caminho para uma sociedade justa, próspera, com oportunidades e direitos para todos, passa por valores culturais como trabalho, dedicação, seriedade e competência. Passa por educação infantil, saúde na primeira infância e acesso à cultura e ao lazer – tudo isso gera pessoas que vão ter orgulho de fazer por merecer.

2ª Tese – apresentar a ideia de justiça como igualdade de oportunidades.

          Por esse conceito, uma sociedade justa é aquela que dá a todos os seus membros as mesmas oportunidades. Basicamente, uma sociedade em que todos tenham direito à educação, de verdade e de qualidade, e onde a economia seja suficiente para que não faltem empregos, ou formas de se viver do seu trabalho. É bem utópico, mas, ao menos, algo mais concebível que a igualdade de recursos.

Construindo o Texto – Trabalhe com a ideia de que a velocidade com que a pobreza declina depende da taxa de crescimento da renda dos mais pobres. Por sua vez, essa taxa depende do crescimento econômico do país e da redução no grau de desigualdade. Desse modo, parte da acentuada queda da pobreza dos últimos anos deve-se ao crescimento econômico e outra parte não teria ocorrido se não fosse a redução da desigualdade social.

Solução

          É preciso que ampliemos a capacidade de nossas instituições gerarem igualdade de oportunidades. Isso é extremamente necessário na Educação Básica, um momento da vida em que a sociedade determina que todos tenham os mesmos direitos educacionais. O período da escolaridade obrigatória não combina com a ideia de que os resultados de aprendizagem e a trajetória escolar devam depender do esforço individual. Deve, sim, depender do esforço institucional, do Estado. Quando todos os jovens, ao deixarem a Educação Básica, tiverem galgado um patamar considerado adequado, aí então será mais justo falar em mérito para tratar do acesso às suas futuras oportunidades.

Detalhamentos

  • Proporcionar segurança alimentar e nutricional – a alimentação é um dos mais importantes no país, pelo nível de pobreza. Construir uma política de alimentação adequada às necessidades do país é um dos maiores desafios do governo – integrar políticas que viabilizam acesso da população a uma alimentação de qualidade, com regularidade e quantidade adequada mediante recursos de loterias do Estado;
  • Criar programas de inclusão socioprodutiva das famílias e pessoas que estão fora do mercado de trabalho. São ações voltadas à geração de trabalho e renda e à inserção socioeconômica – construir uma pactuação com os estados no sentido do cumprimento de metas para o desenvolvimento com inclusão social. E, sobretudo, esse compromisso possibilita a elaboração de metas voltadas para a geração de trabalho e renda, visando à autonomia e à emancipação das famílias atendidas pelos programas sociais de transferência de renda.

Redação da aluna ANA CAROLINA LYRA

          Com a enunciação da Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, todos seriam iguais perante a lei. Entretanto, a materialização desse conceito se mostra falha na medida em que as sociedades ainda não marcadas por desigualdades. Assim, só se pode falar em meritocracia quando a justiça favorecer a equidade de oportunidades a todos.

          A aceitação da meritocracia depende principalmente da modificação de valores culturais. Com o surgimento da democracia moderna, a possibilidade de ascensão social foi alcançada, daí consolidou-se a ideia de eu isso dependeria somente do espaço de cada um para acontecer. Porém, é preciso eu as pessoas tenham senso crítico para entender que empenho pessoal não é suficiente em uma sociedade com tamanha desigualdade e eu os problemas sociais devem ser solucionados para a comunidade ser justa.

          Além disso, a ideologia jurídica deve cumprir o seu papel de prover liberdade e igualdade aos cidadãos. Sob a égide platônica, o Estado deveria fornecer um modelo de educação eu possibilitasse o igual acesso a ela. Dessa maneira, as pessoas seriam escolhidas somente pelas suas qualificações, independentemente de suas classes sociais; desse modo, a elite se formaria pelo saber e cresceria o orgulho de fazer por merecer.

          Para a consolidação dessas mudanças, é imprescindível o esforço do Estado no pilar mais importante de uma nação, a educação. Para soluções a curto prazo, são necessárias as manutenções de políticas de inclusão, como as cotas estudantis para alunos de baixa renda e provenientes de escolas públicas. A longo prazo, é dever dos governantes favorecer educação democrática e não sucateada a partir da melhora nas estruturas de scolas, aplicação de impostos para inovações nos métodos de ensino e aumentar salários para os professores.

 

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

TEMA: Os ideais meritocráticos e a desigualdade de oportunidades

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 180 Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro4. Desvios de convenção ou gramaticais: pontuação e regência.
COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200 Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo.
COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, CONFIGURANDO AUTORIA, em defesa de um ponto de vista.
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 180 Articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos. É necessário estar ciente dos três mecanismos coesivos: referencial, sequencial e lexical. A COESÃO SEQUENCIAL É A MAIS PERCEBIDA EM TODO O TEXTO, PORÉM É PRECISO NÃO MANTER AS MESMAS ESTRATÉGIAS COESIVAS.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 200 Elabora MUITO bem proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto. Perceba que os objetivos a serem alcançados com o que a aluna propõe não caem em senso comum.

>Link  

Temas prováveis para o ENEM 2016 (20)
   Luiz  André Medeiros  │     30 de outubro de 2016   │     21:45  │  0

Vigésima temática com grande probabilidade de estar presente na prova do ENEM. Mais um tema saindo nessa noite de domingo, para você que não abre mão de um conteúdo de excelente qualidade na última semana de revisão para a prova mais aguardada do ano. Confira o tema a seguir:

x-default

11111

Tese Principal – A Internet pode colaborar com o processo de mobilização através de boletins, emails, listas de discussão, blogs, twitters e sites. As redes telemáticas se baseiam principalmente em práticas descentralizadas entre as entidades, suas bases e os militantes internautas ocasionais, mediante a construção de um espaço cooperativo que oferece informações vindas das mais variadas fontes e que pode vir a enriquecer as práticas coletivas – a imediaticidade, a capacidade de atingir indivíduos nos mais remotos locais e a construção de redes fazem com que esta tecnologia seja particularmente útil no processo de mobilização para ações políticas.

Visões Universalistas

Argumento Histórico

          Nascido na década de 1990, o ciberativismo surge como um novo modelo para se “fazer política” através da internet. Também chamado de Ativismo Digital, essa nova onda eletrônica ganhou força no final dos anos 90, quando minorias de grupos ativistas e de outras organizações passaram a migrar para o ciberespaço. Por ciberativistas entendem-se os cibernautas que utilizam a internet como ferramenta essencial para espalhar novos ideais, opiniões e críticas, e, ao mesmo tempo, buscar e trocar informações, no intuito de também produzirem informação e divulgar conteúdos na rede mundial de computadores.

Entendimento do Saber em Debate – Além disso, o ciberativista virtual também pode ser o antigo ativista (do “mundo físico”) que encontrou na internet uma ferramenta menos dispendiosa e de amplo acesso para manifestar-se e encontrar outros que dividem a mesma opinião, sem olvidar que, em regra, na internet não existe um controle direto sobre ideologias ou a própria liberdade de expressão.

Argumento Sociológico

          Para o sociólogo espanhol Manuel Castells, os movimentos em rede são de um novo tipo e se formam a partir de ideologias diferentes e com diferentes motivações. São um sintoma da crise da democracia representativa atual, dominada por partidos a serviço deles mesmos e não dos cidadãos, eleições controladas por dinheiro e meios de comunicação, corrupção sistêmica de todos os partidos políticos e em quase todos os países.

Entendimento do Saber em Debate – Trabalhe com a concepção de que se houvesse vontade de participação política e democrática por parte das elites, a comunicação em rede oferece enormes possibilidades de incrementar a participação cidadã ao invés de reduzir a democracia a um voto midiatizado a cada quatro anos. E como há canais institucionais, a sociedade se expressa através de suas formas autônomas de debate, organização e manifestação, online e nas ruas – Nesse sentido, a comunicação em rede está revitalizando a democracia mediante a crítica aos partidos burocratizados e aos políticos corruptos.

Argumento Filosófico

          Para o filósofo francês Pierre Lévy, reconhecido doutrinador do tema, “o ciberespaço não é um meio, é um metameio”. A Internet é uma arma fundamental para atingir indivíduos que, a princípio sem vinculações políticas às instituições clássicas de organização da sociedade civil, estejam dispostos, desde que sejam devidamente convencidos, a participar de ações específicas de protesto, cibernéticas ou não, que tenham alguma identidade com seus interesses e percepções de mundo – ele trabalha com a concepção de que este engajamento possui uma característica fundamental que é a liberdade do militante “não formal” de se envolver quando quiser e onde quiser, sem os altos custos da participação “formal”.

Entendimento do Saber em Debate – Portanto, o ciberativismo se relaciona com estratégias de ação desenvolvidas através da utilização da Internet e de suas potencialidades pelos movimentos sociais e as ONGs, seja por meio da articulação com outras entidades, seja mediante a tentativa de convencimento de um universo de indivíduos que se encontram na rede prontos a serem seduzidos a participar das campanhas que os primeiros promovam.

Teses para o Desenvolvimento

1ª Tese – Ampliar a atuação do ativismo digital.

          No ciberativismo, o espaço eletrônico vem complementar o espaço de lugar, tornando-o, assim, mais complexo. Cria um meio de atuação que se caracteriza por redes de cidadãos que são verdadeiras arenas, antes detidos apenas pelo Estado e Corporações, para expor seus valores e ideias.

Construindo o Texto – Dessa forma, agem sobre o espaço concreto, seja na forma de protesto em locais públicos ou desestabilizando instituições virtuais por meio de ataques no ciberespaço, sendo que, geralmente, essas instituições virtuais atacadas são sítios de empresas na Web ou do governo – no ciberativismo, nota-se que a população está cada vez mais presente na medida em que cresce o número de usuários da rede mundial de computadores, apesar de haver entraves para que um número ainda maior de pessoas possa fazer parte desse grupo.

2ª Tese – Possibilitar a expansão da internet como direito universal.

          A sociedade não é um elemento imóvel, mas contrário disso. Está em constante mudança, e dessa forma, a sociedade contemporânea vai ao encontro desse processo de transformações, onde as tecnologias da informação e comunicação são as principais responsáveis pelo modelo atual de sociedade, que podemos chamar de Sociedade da Informação.

Construindo o Texto – Não foram apenas os modos dos movimentos sociais atuarem nos meios de comunicação que se modificaram com a expansão da internet, mas também o modelo de organização do ativismo. Mostre a concepção de que, hoje, os ativistas sabem muito bem o poder que esta tecnologia possui, e tiram vantagem das possibilidades e técnicas que ela tem oferecido para alcançar seus objetivos.

Solução

          Conclui-se, dessa forma, que a internet realmente está possibilitando que as pessoas engajadas abordem, discutam e, por fim, coloquem em prática suas ideias e convicções, através de ações concretas. Conjuntamente com outras pessoas que têm o mesmo interesse na causa, muitas vezes encontradas no mundo virtual, deixa-se a luta das entidades civis a favor da justiça social mais dinâmica. Assim, o ativismo digital alcança não apenas os ambientes virtuais, pelo contrário: traz para o “mundo real” aquilo que anteriormente era apenas um sonho impossível de ser concretizado.

Detalhamentos

  • Envolver os diversos setores sociais na discussão através das plataformas digitais para a resolução das problemáticas envolvidas nas discussões político-sociais;
  • Permitir a discussão de projetos de leis por meio da web para a propositura de um documento que possa ser discutido pelo congresso e deliberado com consulta popular.

 

 

Redação do aluno TÚLIO GUSTAVO

          Com o advento da 3ª Revolução Industrial, a informática ganhou mais espaço na vida da população, de modo a alterar as relações preexistentes. Dessa forma, tal processo abriu margem para que, na atualidade, o fenômeno do ativismo digital se tornasse uma ferramenta de integração entre as massas, garantindo uma participação política das pessoas, além da época eleitoral.

          No contexto da integração, o ciberativismo é um fator positivo quando se trata da diminuição das barreiras entre classes sociais, uma vez que permite que pessoas de esferas opostas possam ter um contato mais próximo. Dessa maneira, a segregação entre as camadas é vencida, e as causas em questão ganham força, devido ao fato de envolverem distintos estratos sociais em busca de um objetivo em comum. Sendo assim, o meio virtual passa a ser tão importante quanto a real. Pois cria um campo de atuação não mais detido pelo Estado.

          Outro problema existente é a falta de participação política da população fora da época eleitoral, tendo em vista que o plebiscito e o referendo foram pouco usados ao longo da história. No entanto, o ativismo digital vem mudando esse panorama negativo, pois permite que vários grupos criem campanhas nas redes sociais com o objetivo de pressionar as figuras políticas em busca de melhorias na qualidade de vida. Dessa maneira, é evidente que o espaço virtual deve ser um direito legítimo de todos, pois tira o cidadão da condição de observado e o torna participante ativo nas relações gerais.

          Logo, é imperioso que o Estado torne a internet um direito universal, por intermédio da disponibilização de redes de wifi gratuitos, com o objetivo de aumentar a democracia e diminuir a segregação socioespacial. Como também, é necessário que as instituições de ensino induzam o aluno, desde cedo, a fazer uso do meio virtual como ferramenta democrática, mediante plataformas que discutam iniciativas para solucionar problemas do colégio, com o propósito de mostrar o lado positivo do ativismo digital.

 

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

TEMA:  O ATIVISMO DIGITAL É A NOVA MANEIRA DE FAZER POLÍTICA.

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 180 Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Registramos desvios de vírgula, crase e acordo verbal.
COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200 Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo.
COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, CONFIGURANDO AUTORIA, em defesa de um ponto de vista. Os argumentos de autoridade ganharam ênfase nos parágrafos de desenvolvimento graças à habilidade que o teve de relacioná-los às teses pontuadas.
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 200 Articula as partes do texto sem inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos. A leitura torna-se prazerosa quando a coesão funciona, de fato.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 200 Elabora excelente proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto, com todas as etapas de detalhamento bem visíveis.

>Link  

Temas prováveis para o ENEM 2016 (19)
   Luiz  André Medeiros  │       │     17:34  │  0

Tema de número 19 para essa tarde de domingo. Para essa semana que antecede a prova do ENEM disponibilizaremos o melhor conteúdo para vocês, acompanhantes de nossa página. Confira agora mais uma temática:

x-default

11111

Tese Principal – A abundância dos bens de consumo, continuamente produzidos pelo sistema industrial, é considerada, frequentemente, um símbolo do sucesso das economias capitalistas modernas. No entanto, esta abundância passou a receber uma conotação negativa, sendo objeto de críticas que consideram o consumismo um dos principais problemas das sociedades industriais modernas.

Visões Universalistas

Argumento Histórico

          A partir da Rio92 o tema do impacto ambiental do consumo surgiu como uma questão de política ambiental relacionada às propostas de sustentabilidade. Ficou cada vez mais claro que estilos de vida diferentes contribuem de forma diferente para a degradação ambiental. Ou seja, os estilos de vida de uso intensivo de recursos naturais, principalmente das elites dos países do hemisfério norte, são um dos maiores responsáveis pela crise ambiental.

Entendimento do Saber em Debate – Diversas organizações ambientalistas começaram a considerar o impacto dos indivíduos, em suas tarefas cotidianas, para a crise ambiental. Através de estímulos e exigências para que mudem seus padrões de consumo, começaram a cobrar sua corresponsabilidade – destaque que atividades simples e cotidianas como “ir às compras”, seja de bens considerados de necessidades básicas, seja de itens considerados luxuosos, começaram a ser percebidas como comportamentos e escolhas que afetam a qualidade do meio ambiente.

Argumento Jurídico

          A Constituição Brasileira de 1988 estabelece que “o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor”. Isso abriu importante caminho para a criação do Código de Defesa do Consumidor em 1990.

Entendimento do Saber em Debate – A AGENDA 21, documento assinado durante a Rio92, deixa clara a preocupação com o impacto ambiental de diferentes estilos de vida e padrões de consumo:

“Enquanto a pobreza tem como resultado determinados tipos de pressão ambiental, as principais causas da deterioração ininterrupta do meio ambiente mundial são os padrões insustentáveis de consumo e produção, especialmente nos países industrializados. Motivo de séria preocupação, tais padrões de consumo e produção provocam o agravamento da pobreza e dos desequilíbrios”. (Capítulo 4 da Agenda 21)

 

Argumento Sociológico

          O termo sociedade de consumo é uma das inúmeras tentativas de compreensão das mudanças que vêm ocorrendo nas sociedades contemporâneas. Refere-se à importância que o consumo tem ganhado na formação e fortalecimento das nossas identidades e na construção das relações sociais. Assim, o nível e o estilo de consumo se tornam a principal fonte de identidade cultural, de participação na vida coletiva, de aceitação em um grupo e de distinção com os demais.

Entendimento do Saber em Debate – Nesse processo, os serviços públicos, as relações sociais, a natureza, o tempo e o próprio corpo humano se transformam em mercadorias – até mesmo a política virou uma questão de mercado, comercializando a participação cívica e misturando valores comerciais com valores cívicos. Isso seria uma “vitória” do consumo como um fim em si mesmo – o consumo passa a ser encarado, mais do que um direito ou um prazer, como um dever do cidadão.

Teses para o Desenvolvimento

1ª Tese – Entender que O consumo não é uma atividade neutra.

          Os bens, em todas as culturas, funcionam como manifestação concreta dos valores e da posição social de seus usuários. Na atividade de consumo, desenvolvem-se as identidades sociais e sentimos que pertencemos a um grupo e que fazemos parte de redes sociais. O consumo envolve, também, coesão social, produção e reprodução de valores.

Construindo o Texto – Defenda a tese de que o ato de consumir não é uma atividade neutra, individual e despolitizada. Ao contrário, trata-se de uma atividade que envolve a tomada de decisões políticas e morais praticamente todos os dias. Quando consumimos, de certa forma, manifestamos a forma como vemos o mundo – Não deixe de escrever que há, portanto, uma conexão entre valores éticos, escolhas políticas, visões sobre a natureza e comportamentos relacionados às atividades de consumo.

2ª Tese – Desassociar felicidade e qualidade de vida de conquistas materiais.

          A felicidade e a qualidade de vida têm sido cada vez mais associadas e reduzidas às conquistas materiais. Isso acaba levando a um círculo vicioso, em que o indivíduo trabalha para manter e ostentar um nível de consumo, reduzindo o tempo dedicado ao lazer e a outras atividades e relações sociais.

Construindo o Texto – Defenda a tese de que até mesmo o tempo livre e a felicidade se tornam mercadorias que alimentam este vício. Em suas atividades de consumo, os indivíduos acabam agindo centrados em si mesmos, sem se preocupar com as consequências de suas escolhas – Trabalhe a ideia de que o cidadão é reduzido ao papel de consumidor, sendo cobrado por uma espécie de obrigação moral e cívica de consumir.

Solução

          Os governos devem garantir os direitos civis, sociais e políticos de todos os cidadãos; elaborar e fazer cumprir a Agenda 21, por meio de políticas públicas, de programas de educação ambiental e de incentivo ao consumo sustentável. Além disso, devem incentivar a pesquisa científica voltada para a mudança dos níveis e padrões de consumo e fiscalizar o cumprimento das leis ambientais.

Detalhamento:

  • O consumidor deve cobrar permanentemente uma postura ética e responsável de empresas, governos e de outros consumidores – buscar informações sobre os impactos dos seus hábitos de consumo e agir como cidadão consciente de sua responsabilidade em relação às outras pessoas e aos seres do planeta;
  • As empresas devem agir de forma social e ambientalmente responsáveis em todas as suas atividades produtivas – Nesse sentido, responsabilidade social empresarial significa adotar princípios e assumir práticas que vão além da legislação, contribuindo para a construção de sociedades sustentáveis.

Utilize as seguintes ideias:

1 – Os produtos duráveis mais do que os descartáveis ou de obsolescência acelerada.

2 – O uso compartilhado de produtos mais do que a posse e o uso individual.

3 – A produção, os produtos e os serviços social e ambientalmente mais sustentáveis.

4 – As opções virtuais mais do que as opções materiais.

5 – O não-desperdício dos alimentos e produtos, promovendo o seu aproveitamento integral e o prolongamento da sua vida útil.

Redação do aluno Jefferson Rocha de Farias

          O desenvolvimento apresentado pelas conquistas do mundo moderno, hoje, acarretam inúmeras mudanças no modo de viver humano. Apesar desse novo estilo, em parte, significar uma melhoria na qualidade de vida, o consumismo, por exemplo, ocasiona vários valores nocivos que infligem diretamente no comportamento. Nesse sentido, o novo modo de vida passa a ter um caráter positivo, com pessoas preocupadas em passar uma boa imagem e valores desnecessários enxertado pelas grandes empresas.

          O uso imoderado do consumo deu-se início nas décadas posteriores à Guerra Fria, quando os EUA transformaram-se em uma grande potência. O “Modo de viver Americano” tornou-se um símbolo de vida perfeita no mundo, incorporando esse estilo até hoje. Entretanto, esse “modo Americano” reduziu o papel do cidadão para apenas um consumidor, apenas focado em si, sem se incomodar com suas condições ou suas reais necessidades.

          Além disso, a preocupação com o ato de consumir veio ganhar força recentemente, através de movimentos ativistas e com o estudo de pensadores. Logo, a Escola de Frankfut agrega claramente a ideia de que é a mídia que introduz a necessidade no indivíduo, tornando=o um consumidor irresponsável e egoísta. Desse modo, o meio ambiente também sofre com esse desenfreio à medida em que os recursos naturais são limitados.

          Por conseguinte, o ensino sobre economia nas escolas através de aulas didáticas ou palestras é importante a fim de que a criança crie um caráter crítico; deve-se, também, buscar informações sobre os impactos à natureza a que tais produtos geram, além de sempre cobrar um comportamento mais ético das grandes empresas. Hoje, isso é possível graças aos órgãos como a Oxfan, porém instituições como esta devem ser mais divulgadas, uma vez que são elas que proporcionam o bem-estar entre o homem e o meio-ambiente.

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

Tema: Ser consumidor também é um exercício de cidadania

 

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 180 Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios de convenção ou gramaticais: vírgula e crase.
COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200 Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo.
COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, CONFIGURANDO AUTORIA, em defesa de um ponto de vista. Observe a habilidade para relacionar a defesa de ponto de vista com os argumentos de autoridade.
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 180 Articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos. É necessário estar ciente dos três mecanismos coesivos: referencial, sequencial e lexical. As falhas quanto ao emprego da vírgula prejudicam a coesão do texto.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 200 Elabora excelente proposta de intervenção relacionada ao tema, com todos os critérios de detalhamento enfatizados.

>Link