Temas prováveis para o ENEM 2016 (2)
   Luiz  André Medeiros  │     16 de outubro de 2016   │     19:04  │  0

          Nossa segunda postagem da série dos Prováveis temas para o ENEM traz uma temática que, além de bastante relevante, desperta bastante interesse para a população em geral. A questão do envelhecimento está se tornando cada dia mais próxima da realidade de todos os brasileiros e é papel não apenas do Governo, mas também da sociedade como um todo, aprender a lidar com esse nicho populacional em constante crescimento. Confira o tema a seguir:

2

x-default

Tese Principal

          A expectativa de vivermos mais e melhor interferiu no nosso entendimento do que é doença. Estamos cada vez mais intolerantes com a depressão e a perda de memória, por exemplo, e os critérios de diagnósticos estão ficando cada vez mais abrangentes. Histeria coletiva? Pressão da indústria farmacêutica? Pode ser, mas o que não se pode negar é que existe um fenômeno universal, uma gigantesca demanda da sociedade para viver mais e melhor, um fator emocional que será difícil de ser evitado.

Visões Universalistas

Argumento Jurídico

A constituição em sua seção da assistência social estabelece:

Art. 203. A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e tem por objetivos:

V – a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei.

Construindo texto

          A Constituição Federal de 1988 veio legitimar as políticas sociais em nosso país como resultado de lutas e reivindicações populares pelo avanço da democracia. Assim, pela primeira vez, a questão do idoso é contemplada na Constituição.

Argumento Sociológico

          Fundamental e de extrema relevância buscarmos uma reflexão em torno de envelhecimento e trabalho no tempo do sistema capitalista – importante resgatar o pensamento de Simone de Beavouir, ao afirmar que mais escandaloso do que o tratamento destinado à velhice é o empregado à maioria dos indivíduos independente de sua idade.

Construindo o Texto

          A autora aponta que a sociedade capitalista só se preocupa com os sujeitos na medida em que produzem força de trabalho, na medida em que geram mais valia, e produz lucros à burguesia – destaque que vivemos no período  da hipervaloração da estética e do consumismo e este fato contribui cada vez mais com a estigmatização dos idosos e implica no distanciamento entre as gerações, pois a condição de idoso implica em sinônimo de improdutividade que é o oposto do sinônimo da juventude.

Argumento Atual

          O envelhecimento da população brasileira está relacionado a um fenômeno mundial. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), em seu último relatório técnico “Previsões sobre a população mundial”, elaborado pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, nos próximos 43 anos o número de pessoas com mais de 60 anos de idade será três vezes maior do que o atual.

Construindo o Texto

          Os idosos representarão um quarto da população mundial projetada, ou seja, cerca de 2 bilhões de indivíduos (no total de 9,2 bilhões). No critério da Organização Mundial da Saúde (OMS), é considerado idoso o habitante de país em desenvolvimento com 60 anos e o habitante de país desenvolvido acima de 65 anos.

Teses para o Desenvolvimento

1º Tese – Repensar o modelo de valorização do consumismo.

          Trabalhar o texto com base em um pensamento sociológico de não apenas valorizar a estética e o consumismo – pensar o idoso na sociedade capitalista contemporânea é percebê-lo na lógica das relações entre pessoas que estão em um contexto único: a funcionalidade via comunidade humana.

Construindo o Texto

          Defenda a ideia de que: se o homem em estado de velhice não é mais hábil ao mercado para venda de sua força de trabalho, isso não quer dizer que ele não tenha outras atribuições.

2º Tese – Proteger o idoso como uma responsabilidade coletiva.

          Nas sociedades contemporâneas, a valorização excessiva da força de trabalho colocou os idosos em posição inferior, aliada ao fato de que as sociedades urbanas industriais designam o valor do ser humano na produção direta do que sejam capazes de produzir.

Construindo o Texto

          Trabalhe a tese de que envelhecer com dignidade não é uma responsabilidade individual, mas sim responsabilidade coletiva – isso implica não só a criação de políticas públicas como também a garantia de acesso dos idosos a essas políticas.

Solução

          Destacar que, num curto espaço de tempo, teremos um novo ambiente, novas demandas e necessidades diversas. E não só mudanças objetivas na organização da sociedade e nas ações governamentais se farão necessárias, como também profundas transformações culturais e comportamentais terão obrigatoriamente que ocorrer. Nas sociedades ocidentais, de ritmo frenético imposto pelas necessidades do desenvolvimento capitalista urbano-industrial e, agora, do mundo pós-moderno da internet e dos mercados globais, onde o tempo é dinheiro, a sensibilidade é baixa para o problema do envelhecimento da população.

Detalhamentos

  • Nesse contexto, cabe assinalar a importância da implantação de políticas públicas atendendo a demandas específicas e colaborando com a regulamentação do mercado destinado à provisão de serviços para cobrir as necessidades dessa população.
  • Políticas focadas na gestão pública do cuidado, socializando a responsabilidade pelo mesmo, função que ainda é depositada nas famílias.

 

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *