Temas prováveis para o ENEM 2016 (26)
   Luiz  André Medeiros  │     1 de novembro de 2016   │     19:40  │  0

Vigésima sexta temática liberada aqui o blog Saber em Debate. Estamos cada vez mais próximos do nosso objetivo: contribuir com a instrução dos que acompanham nossa página transmitindo o melhor conteúdo para a prova do ENEM. Restam apenas 5 dias até a prova de redação, por isso não deixe de conferir nossos materiais. Confira o texto:

11111

WhatsApp Image 2016-11-01 at 18.32

Tese Principal – É notável o avanço da aceitação do princípio da igualdade de direitos de casais heterossexuais e homossexuais – no entanto, há uma tendência em se observar um nível mais alto de intolerância quando o teste recai sobre situações concretas, como a explicitação de uma relação entre gays em público.

Visões Universalistas

Argumento Sociológico

          Socialmente, os jovens apresentam uma tolerância maior à homossexualidade. Os idosos mostram-se mais intolerantes. A intolerância também é maior entre religiosos. A maioria dos católicos, por exemplo, diz não aceitar a ideia de casamento entre pessoas do mesmo sexo. Já os evangélicos são mais intolerantes em relação à homossexualidade.

Entendimento do Saber em Debate – Mostre no texto que as pessoas que não se submetem aos padrões de feminilidades, masculinidades e orientações sexuais encarados como normais, a partir da ótica dos padrões sociais dominantes, são reiteradamente expostas, no ambiente escolar, a violações de direitos, agressões físicas e verbais e discriminações de todo tipo – essas diferenças convertem-se em reais desigualdades.

Argumento Filosófico

          A filósofa alemã Hannah Arendt enfatiza que há a necessidade de que cada pessoa tenha o “direito a ter direitos” no âmbito de uma proteção internacional – e não somente como consequência de uma dada nacionalidade – como único modo de preservar a cidadania e, por conseguinte, a dignidade humana. Nesse viés, a apreciação que Arendt empreende dos “códigos” garantidores dos “direitos humanos”, desde a Independência dos Estados Unidos (1776) até a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), constitui uma crítica ao caráter “abstrato” dos indivíduos a serem protegidos e amparados. A crítica arendtiana fixa-se na ineficácia dos Direitos Humanos quando confrontados com situações extremas, como a vivenciada em Estados Totalitários.

Entendimento do Saber em Debate – Mostre que isso só pôde acontecer porque os Direitos do Homem, apenas formulados, mas nunca filosoficamente estabelecidos, apenas proclamados, mas nunca politicamente garantidos, perderam, em sua forma tradicional, toda a validade. Ela quer dizer que a defesa dos Direitos Humanos, estabelecida por meio dos princípios norteadores das Declarações de Direitos, não foi politicamente garantida.

Argumento Atual

          Na pesquisa sobre tolerância social à violência contra mulheres, realizada pelo Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS), do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), metade dos 3.810 entrevistados pelo instituto (50,1%) afirma que casais de pessoas do mesmo sexo devem ter os mesmos direitos de outros casais – contra 40% dos que veem a ampliação desses direitos como inaceitáveis.

Entendimento do Saber em Debate – Quando a afirmação é mais incisiva, no entanto, a questão muda de figura. Para a maioria da população (52%), o casamento de homem com homem ou de mulher com mulher deve ser proibido no Brasil. Para 60%, incomoda ver dois homens, ou duas mulheres, beijando-se na boca em público (44,9% dizem concordar “totalmente” com a afirmação).

Teses para o Desenvolvimento

1ª Tese – Aumentar a militância real de luta.

          A militância digital é válida, mas não há uma unidade em manifestações de rua, enfatiza, por direitos sociais das minorias no Brasil, como aconteceu com negros e gays nas décadas de 60 e 70 nos Estados Unidos – a questão é que as pessoas se lembram de comemorar, mas não estão no dia a dia para lutar por isso.

Construindo o Texto – Defenda a ideia de que as lutas por direitos são infinitas e sempre aptas. Apesar dos avanços legislativos nas últimas décadas, e no caso do Brasil com a histórica decisão do STF determinando a igualdade de direitos em 2011, as dificuldades ainda persistem, pois ainda estão sendo materializadas por um Estado que foi ausente em suas defesas de minorias por séculos.

2ª Tese – Possibilitar uma educação inclusiva.

          Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs) compõem um grupo populacional que tem seu direito fundamental à educação violado, com, igualmente, altas taxas de evasão escolar. Em razão da total invisibilidade dada ao problema, órgãos governamentais ainda não dispõem de indicadores que possam medir o tamanho estatístico dessa exclusão escolar.

Construindo o Texto – Defenda a tese de que é preciso respeitar a laicização do Estado – partindo de argumentos falaciosos e distorcendo um debate consolidado há décadas no campo intelectual nacional e internacional, grupos religiosos têm sistematicamente ignorado o princípio da laicidade do Estado, censurando qualquer menção às categorias “gênero” ou “orientação sexual”, especialmente nos planos locais de educação. Agindo, dessa maneira, o objetivo acaba sendo adiar por mais anos o reconhecimento da dignidade humana de grupos historicamente excluídos e de seu direito fundamental à educação.

Solução

          Precisa-se construir, através da educação, do acesso à cultura e da garantia da laicidade do Estado, uma sociedade mais informada, menos preconceituosa, mais solidária e mais empática.

Detalhamentos

  • Criação de delegacias especializadas em crimes homofóbicos para o atendimento exclusivo a essas questões – detalhar com um treinamento específico aos servidores para uma melhor compreensão do problema;
  • Legislação que criminalize a problemática homossexual, mediante um agravante penal que aumente a pena – utilize o mobilizador Congresso Nacional.

 

Redação da aluna MARIA JÚLIA PLECH

          A conquista de direitos é um processo histórico de lutas, segundo Thomas Marshall. Porém, no tocante à homossexualidade, o mundo ainda é bastante retrógrado. As pessoas que não se submetem às orientações sexuais consideradas normais pelos padrões dominantes são totalmente excluídas, julgadas e agredidas verbal e fisicamente e veem suas diferenças constarem-se como reais desigualdades. Na tentativa de mudar tal realidade, é viável o aumento da militância contra qualquer tipo de prática de cunho preconceituoso. Além disso, faz-se necessário que homossexuais sejam devidamente respeitados em suas instituições de ensino, na tentativa de diminuir a evasão escolar daqueles que têm seu direito fundamental à educação, violado.

          De acordo com pesquisas do GGB (Grupo Gay da Bahia), em 2013 foram contabilizados 312 assassinatos, mortes e suicídios de vítimas da homofobia e transfobia. Tais números apontam que apesar do mundo ter evoluído no respeito às lésbicas, gays e transexuais, o número de conservadores que abominam tal processo ainda é muito grande.

          Essa realidade é pior quando recai sobre situações concretas, como a explicitação de uma relação entre gays em público. Testemunhos prestados por alguns casais homoafetivos, denunciam a hipocrisia vigente no mundo, desempenhada por muitos indivíduos que se dizem racionais em relação ao homossexualismo, mas repudiam casais do mesmo sexo que trocam carícias em locais populares, e muitas vezes chegam até agredi-los verbal e fisicamente.

          As dificuldades enfrentadas por pessoas que têm opções sexuais anormais pelos padrões estabelecidos pela sociedade, são ainda piores no âmbito escolar. Apesar de muitos pais, por exemplo, alegarem-se livres de preconceitos, negam-se a aceitar que seus filhos convivam com crianças e adolescentes homossexuais, o que explicita a hipocrisia também nas escolas e culmina na altíssima evasão escolar de jovens LGBTs.

          Assim, são essenciais algumas mudanças por parte do governo e no âmbito familiar. O Estado deve intensificar as medidas de proteção a homossexuais, por meio da criação de novas leis que favoreçam esse grupo, além da construção de delegacias devidamente destinadas a atender casais que sofrem qualquer tipo de discriminação, visto que no Brasil só existem dois estados: São Paulo e Paraíba. Cabe às famílias, por sua vez, educarem-se para aceitar que as escolhas de cada indivíduo não o fazem melhores ou piores e, portanto, não devem ser excluídos de qualquer relação social, mas sim respeitados e admirados por sua coragem de se assumirem perante a uma sociedade tão excludente e discriminatória.

 

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

TEMA: O homossexualismo e a continuidade da vulnerabilidade social

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 180 O aluno demostra excelente domínio quanto ao nível formal da Língua Portuguesa.Há, apenas, três deslizes:

linha 11, erro de ortografia; linha 17, ausência de vírgulas para isolar o termo muitas vezes; linha 29, ausência de vírgula diante do isolamento do coesivo.

COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200  O texto obedece à proposta de dissertação-argumentativa em prosa, os parágrafos apresentados são proporcionais e seguem o que foi disposto na introdução.

O aluno apresenta um texto respaldado na visão universalista– com ênfase na com persistência filosófica-; em seguida, amplia os argumentos embasados em pesquisas recentesperceba que não há citações diretas, e sim indiretas seguidas de defesa de ponto de vista.

 

COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 É traçada uma ideia argumentativa na introdução textual, a qual é ampliada nos parágrafos de desenvolvimento. As informações estão bem hierarquizadas, organizadas, interpretadas e em diálogo com o projeto de texto do candidato
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 200 Trata-se de texto com excelente articulação das ideias apresentadas, sem inadequações na utilização dos recursos coesivos. Apresenta um repertório diversificado de recursos coesivos, utilizado com ótimo domínio. Faz uso de elementos de ligação entre os parágrafos.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 200 A atribuição da nota 5 deve-se ao fato de que o candidato apresenta proposta muito bem elaborada e detalhada em relação à argumentação desenvolvida. Os agentes mobilizadores são evidenciados, bem como cada proposta é seguida de uma riqueza de detalhamento.

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *