Temas prováveis para o ENEM 2016 (32)
   Luiz  André Medeiros  │     4 de novembro de 2016   │     13:04  │  0

Trigésima segunda postagem com os temas mais relevantes para o ENEM, aqui no blog Saber em Debate. Estamos extremamente felizes em informar que nosso papel de transmitir o melhor conteúdo de redação está sendo finalizado com bastante sucesso. Nos resta apenas o dia de hoje e já temos a certeza de que todo o conteúdo aqui passado será de grande ajuda a muitos alunos que realizarão a prova nesse fim de semana. Confira agora mais uma temática:

1111

WhatsApp Image 2016-11-01 at 18.32

Tese Principal – Em tempos tão ácidos e de debate público tão acalorado como o que temos vivido, sempre vem à tona a discussão sobre a eterna disputa entre projetos políticos supostamente opostos. Sem adentrar o mérito de quais sejam esses projetos e seus defensores, podemos apenas dizer que o mais comum é que incorramos no estabelecimento da velha dicotomia entre um Estado que promova a proteção social de seus cidadãos, o que podemos chamar de Estado de bem-estar social, e a prática do livre mercado.

Visões Universalistas

Argumento Atual

          A propagação de que liberdade econômica e proteção social são inconciliáveis é um mito, estabelecido tanto pela direita quanto pela esquerda, pois é cômodo ao discurso de ambas vulgarizar esse debate, tornando-o mais simples do que de fato é, o que facilita a defesa de posições ideológicas.

Entendimento do Saber em Debate – No entanto, se olharmos com atenção o índice de liberdade econômica elaborado pelo conservador The Heritage Fundation, que desde 1995 monitora o grau de liberdade econômica de mais de 178 países ao redor do mundo, levando em conta fatores políticos e institucionais, veremos que muitos daqueles que figuram no ranking como portadores de “ótima” ou “muito boa” liberdade de mercado são países onde se reconhece uma grande amplitude de defesa dos direitos e garantias sociais, dentre os quais Noruega, Suíça e Dinamarca. No atual ranking, a Suíça aparece na quarta colocação, enquanto os Estados Unidos, que são referência em liberdade de mercado, estão em 11º lugar.

Argumento Sociológico

          Os problemas brasileiros derivam da incapacidade do sistema para integrar um vasto contingente de excluídos, a quem faltam não apenas recursos materiais, mas equipamentos básicos de educação, autoestima e cidadania – a óbvia inexistência desse “fair play”, ou seja, dessas condições para uma competição minimamente justa  no caso do Brasil, é o principal fator de geração de violência e de criminalidade.

Entendimento do Saber em Debate – Trabalhe a concepção de que sociedades ricas que possuem maior uniformidade na riqueza ou sociedades pobres que têm maior uniformidade na pobreza são pacíficas. A violência ocorre onde há desigualdade social, onde não há justiça nas condições de disputa por bens raros.

Argumento Jurídico

          Temos por dignidade da pessoa humana a qualidade intrínseca e distintiva de cada ser humano que o faz merecedor do mesmo respeito e consideração por parte do Estado e da comunidade, implicando, neste sentido, um complexo de direitos e deveres fundamentais que assegurem a pessoa tanto contra todo e qualquer ato de cunho degradante e desumano, como venham a lhe garantir as condições existenciais mínimas para uma vida saudável, além de propiciar e promover sua participação ativa co-responsável nos destinos da própria existência e da vida em comunhão dos demais seres humanos.

Entendimento do Saber em Debate – Mostre no texto que a dignidade da pessoa humana, prevista no artigo 1º, inciso III da Constituição Federal, constitui um dos fundamentos do Estado Democrático de Direito, inerente à República Federativa do Brasil. Sua finalidade, na qualidade de princípio fundamental, é assegurar ao homem um mínimo de direitos que devem ser respeitados pela sociedade e pelo poder público, de forma a preservar a valorização do ser humano.

Teses para o Desenvolvimento

1ª Tese – Possibilitar uma competição de forma mais justa.

          No entanto, em um contexto de desigualdade social como o nosso, é impossível pensar que essa disputa possa se dar apenas por mérito ou mera sorte, que é um fator aleatório, pois aqueles que pertencem às classes mais privilegiadas partem de uma imensa vantagem em relação a quem é originário das classes menos privilegiadas – não apenas no que diz respeito ao capital financeiro, mas também ao capital cultural e simbólico.

Construindo o Texto – Utilizar fatores da desigualdade econômica – O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Trabalhe a ideia de que a grande concentração de renda observada hoje foi mantida durante o último século, apesar de observarmos algumas variações associadas a decisões políticas e a acontecimentos históricos nas últimas décadas.

2ª Tese – Estabelecer garantias mínimas de dignidade.

          Ao passo que aqueles que pertencem à elite econômica e social contam com várias redes de proteção – dentre as quais a mais eficiente e consistente é a familiar –, independendo do Estado para que possam viver com dignidade, por exemplo, se em algum momento da vida forem alcançados por um infortúnio e se tornarem improdutivos, os mais vulneráveis na escala social, em geral, não têm quem os suporte.

Construindo o Texto – Trabalhe a tese de que a ideia de garantia de direitos sociais mínimos tem por finalidade permitir a construção pelo Estado de uma rede semelhante de proteção e amparo para suprir a ineficácia dessas outras redes privadas, quando a pobreza ocorre.

Solução

          A convivência entre patamares elevados de liberdade de mercado com índices também elevados de justiça e desenvolvimento social é não só viável, mas também desejável.  E é possível pensarmos em uma boa relação entre esses dois valores por meio da aplicação de mecanismos que deem um tratamento adequado à acumulação da riqueza – impostos sobre grandes fortunas e sobre herança, por exemplo, e até o questionamento do próprio direito de herança – sem que isso implique, necessariamente, prejuízos à liberdade de mercado e aos benefícios que ela traz.

Detalhamentos

  • Estabelecer tratamentos mínimos as pessoas que necessitam mediante programas de distribuição de renda associados ao rendimento escolar – detalhe que esse programa pode ser fiscalizada por assistentes sociais;
  • Manutenção de políticas de discriminação positiva para a eliminação rápida da desigualdade social, com prazo e resultados monitorados pelo Estado e entidades não governamentais.

 

Redação do aluno ARTHUR PEREIRA MIRANDA

          As sucessivas crises do Brasil na atualidade são marcadas pela dicotomia entre seus governantes, na qual as secções pouco colaboram para o bem-estar social e avanço econômico do país. Tal antagonismo, nesse sentido, põe em xeque o acordo desses ideais e, consequentemente, a melhoria efetiva de toda a sociedade. Com isso, a política brasileira, não sabendo administrar tais interesses, provoca a instabilidade social, comprometendo suas relações e seus interesses.

          O keynesianismo emerge, no século XX, como ideologia econômica criada para conceder benefícios sociais, suprindo a carência de segmentos da iniciativa privada. O Estado brasileiro, contudo, não consegue tamanha harmonia financeira, na medida em que não há a devida tutela aos mais frágeis e as desigualdades só aumentam. Nesse sentido, com os impostos díspares e péssimas condições dos bens públicos, as diferenças crescem e a sociedade involui.

          Além disso, a segregação gerada pela política é um agravante real, uma vez que distancia uma conciliação entre as partes. Dessa forma, o ideal de “Capital Social”, proposto pelo sociólogo Robert Putnam, é fundamental, posto que sugere a união da sociedade para resolver sues problemas. Infelizmente, essa alternativa está distante da realidade, o que impossibilita a resolução da problemática.

          Há, portanto, a necessidade, pelo Estado, de correções nos impostos, de modo que sejam cobrados proporcionalmente à renda de cada indivíduo, bem como a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas, tornando as taxas mais igualitárias e aumentando o poder financeiro da população. É essencial, ainda, uma integração social, promovida por partidos políticos, a fim de que estes representem aqueles de maneira contratualista, suprindo suas necessidades, como escolas e hospitais, criando, assim, condições equitativas para toda a população.

 

ESPELHO DA REDAÇÃO DO SABER EM DEBATE

TEMA:  Proteção social e livre mercado: uma convivência possível

COMP. I DEMONSTRAR DOMÍNIO DA NORMA CULTA 200 Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções aqui encontrados e não reincidentes não prejudicaram a construção gramatical do texto.
COMP. II COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO 200 Desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta EXCELENTE domínio do texto dissertativo-argumentativo
COMP. III CAPACIDADE DE SELECIONAR E ORGANIZAR AS INFORMAÇÕES 200 Apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, CONFIGURANDO AUTORIA, em defesa de um ponto de vista.PERFEITO!!!
COMP. IV DEMONSTRAR DOMÍNIO QUANTO AOS ELEMENTOS COESIVOS 200 Articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.
COMP. V APRESENTAR PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 200 Elabora PERFEITA proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto.

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *